Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
“Os desafios urgentes para conquistar a soberania na agroenergia”
10 de julho de 2011 Artigos Ciência Edições Anteriores
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

A necessidade da criação da EMPRESA BRASILEIRA DE AGROENERGIA (EBA),
em mãos do Estado e baseada na pequena e média agricultura familiar

Há um profundo abismo entre as conquistas econômicas e sociais dos governos Lula e
Dilma e a desnacionalização do setor do agrocombustível no pais. Posição inadmissível
pra uma nação que busca se afirmar pela inclusão social e como potência econômica e
política nos cenários da América Latina e Internacional.

A produção de agrocombustível não pode ser analisada apenas como uma commodity
a ser explorada economicamente pela iniciativa privada, pois trata-se de um produto
estratégico, um produto energético, ao nível de importância de outros produtos como o
petróleo, o carvão mineral, a energia elétrica, a energia nuclear em disputas militares no
mundo.

Recentemente, a Presidenta Dilma, diante do absurdo do desabastecimento de álcool,
decretou que o álcool fosse considerado um produto estratégico e não mais um simples
produto agrícola, ficando a cargo da ANP coordenar o setor. Desta forma, sinalizou
a necessidade de se construir uma estratégia para assegurar o controle estatal na área
de produção de agroenergia. Da produção de álcool combustível, a Petrobrás participa
apenas com 5% do mercado.

A crise econômica de 2008 não teve um efeito desastroso para a economia geral
do país como se alardeou mas provocou uma crise artificial no setor sucroalcooleiro,
orquestrada por transnacionais que passaram a comprar as usinas do setor, num
cenário de aprofundamento da concentração da economia mundial, nas mãos de
poucas empresas. Para se ter uma idéia, os maiores Bancos do mundo como o Bank
of America, JP Morgan Chase, Citygroup e Wells Fargo são vinculados a petroleiras
Exxon Mobil, Royal Dutch/Shell, BP Chevron Texaco que estão adquirindo usinas
de álcool e açúcar no Brasil recentemente. A Shell passou a controlar um dos maiores
conglomerados sucro-alcooleiros, a Cosan, numa clara ação de desnacionalização do
setor.

O crescimento econômico do Brasil e a inclusão de milhares de pessoas a melhores
condições de vida não pode levar o governo da Presidenta Dilma a se desprover de
uma concepção de defesa da soberania nacional dos setores estratégicos. Desta forma,
reiteramos a proposta da criação da Empresa Brasileira de Agroenergia (EBA) que
teria a função de coordenar o setor sob controle do estado brasileiro, papel que não
está sendo cumprido pela “Petrobrás Biocombustível”. A grande mídia seguramente
vai alardear, pois está a serviço das transnacionais, mas este é o único caminho para
assegurar um desenvolvimento baseado em fundamentos econômicos sólidos.

Os movimentos dos agricultores familiares do campo e os partidos de esquerda em
geral foram tímidos na defesa do setor e na defesa de um modelo que incorporasse
a agricultura familiar na produção da agroenergia, através da construção de micro-

destilarias. É preciso retomar este debate, com urgência. Atualmente, cinco empresas
produzem 50% do etanol no Brasil: a anglo-holandesa Raizen (Shell/Cosan), a
francesa Louis Dreyfus, a norte-americana Bunge, a francesa Tereos e a ETH, do
grupo Odebrecht. Além disso, tem a norte-americana Adecoagro, de George Soros; a
CNAA, comprada pela pretroleira inglesa British Petroleum; a Equipav e Vale do Ivaí,
adquiridas pela indiana Shree; a Rio Vermelho, empalmada pela suíça Glencore. Ou
seja, a desnacionalização da economia é a causa para o aumento do preço do etanol.
Por isso, se faz necessário o aumento da participação do Estado, para que tenhamos
soberania neste setor. Depois que as transnacionais controlarem a produção do álcool
combustível, irão abrir os seus mercados no exterior, nos impor preços e condições
de venda, como já acontece com os preços, a comercialização e exportação das
commodities de grãos, dos fertilizantes, de máquinas e equipamentos agrícolas.

Diante da crise dos países hegemônicos, o governo Dilma conta com uma correlação de
forças ímpar para assegurar o controle estatal sob um dos mais importantes setores da
economia brasileira e mundial. Não há que deixar passar o tempo e a oportunidade antes
que nos tornemos irreversivelmente uma colônia.

Proposta para o Plano Nacional de Agroenergia do Governo Federal

1. Defendemos que os recursos naturais de nosso território, como terra, água, sol
e biodiversidade sejam utilizados prioritariamente para produção de alimentos,
energia renovável e geração de empregos para o povo brasileiro;

2. A produção de agroenergia deve ter por objetivo primordial o combate à miséria
e à fome no Brasil e no mundo;

3. Defendemos que o programa de agroenergia do país seja implantado junto aos
4,1 milhões de agricultores familiares e 100 mil acampados da reforma agrária,
segmentos com reais condições de produzir alimentos e agroenergia de forma a
preservar a natureza – na forma de policulturas -, com distribuição de renda;

4. Defendemos a criação de milhares de microdestilárias para produção de álcool
combustível e que a Presidenta Dilma dê prioridade ao tema. Assunto que foi
abordado no dia 26/10/11 em audiência pública na Comissão de Agricultura e
Reforma Agrária (CRA) do Senado para discutir o Projeto de Lei do Senado
(PLS) 252/2011, de autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que propõe
a criação do Programa de Microdestilarias de Álcool e Biocombustíveis
(Promicro), visando atender principalmente agricultores familiares.

5. Defendemos criação de legislação brasileira que impeça a compra das terras
por estrangeiros, a exemplo da iniciativa tomada pela Presidenta Dilma, ao
encomendar estudos sobre o tema;

6. Defendemos que a produção de agroenergia esteja vinculado a um Programa
Desenvolvimento Nacional a favor do povo brasileiro e não a favor das
transnacionais do agronegócio;

7. Defendemos o auto-abastecimento das comunidades locais da produção das

energias renováveis, evitando o absurdo dos “passeios” dos combustível;

8. Defendemos que o Governo Federal abra um amplo debate sobre a produção de
agroenergia junto à todos os segmentos da sociedade;

9. Denunciamos a desnacionalização da produção de álcool combustível, com a
compra de parcela significativa das usinas por empresas estrangeiras;

10. Defendemos a necessidade do estado brasileiro regular a produção , a
comercialização, a exportação, o desenvolvimento tecnológico, o zoneamento
agrícola, formação de estoques reguladores da agroenergia no Brasil Para isso
propomos a criação de uma empresa pública, estatal, que podemos chamar de
Empresa Brasileira de Agroenergia (EBA) com controle social.

11. Defendemos a organização da Campanha Popular “A Agroenergia é nossa” a
nível nacional com seminários regionais em base as propostas da I Conferência
Nacional Popular de Agroenergia.

Membros da Campanha por uma Empresa Brasileira de Agroenergia (EBA)

Eduardo Dumont (Conab-MG)

dumonts@terra.com.br

Irae Sassi (Jornalista e Coordenador Projetos – DF)

iraesassi@gmail.com

Celso Agra (Técnico-Metalúrgico anistiado – RJ)

agracel@terra.com.br

Helena Iono (Professora e Produtora – TV Cidade Livre)

hiono@terra.com.br

Beto Almeida (Jornalista – DF)

betotvsul@hotmail.com

Bautista Vidal (cientista – DF)

bautistav@uol.com.br

Adriano Benayon (economista – DF)

Benayon@terra.com.br


{Acessos: 245}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Apoio incondicional à candidatura Haddad-Manuela e à coligação!
Pela composição mais ampla com todas as forças de esquerda, progressistas, nacionalistas e democráticas e dissidentes do regime ditatorial neoliberal e fascista! É preciso contar com as divergências do inimigo. É preciso emplacar Haddad no primeiro turno.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: