Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
8 de Março na Argentina superou o “feminismo”
15 de março de 2018 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

“As mulheres constituem um verdadeiro exército a serviço da Revolução... A mulher é uma Revolução dentro da Revolução.... Quando os homens lutam dentro de um povo, e as mulheres também podem fazê-lo, este povo é invencível” (Fidel Castro *)

 

Manifestação das mulheres Argentinas
(Praça do Congresso)

Nesta Argentina onde as manifestações das mulheres, agrupadas atrás da consigna “Nem uma a menos” tem sido uma das vanguardas dos protestos internacionais do 8 de março, os números desta vez, altíssimos, de centenas de milhares (fala-se 500 mil), não foram a única novidade; o notável foi o salto qualitativo e político embutido na paixão guerreira e na diversidade dos cartazes, protestos e palavras de ordem, levantados por coletivos organizados ou cidadãs soltas e independentes.

As tentativas de reduzir a força social dos 8M a um simples “feminismo” perdem terreno, para infelicidade de Macri e dos governantes burgueses que trataram sempre de despolitizar o “movimento de mulheres”. A recente iniciativa do governo de debater o problema do aborto, com intuito oportunista de improvisar alguma bandeira para recuperar uma base social diante do desastre econômico a que reduziu o país, encontra diante de si, um movimento social de mulheres decididas a reverter em conquista essa manobra eleitoreira de “Cambiemos” – na realidade, uma reivindicação já pautada em anos precedentes.  Um dos cordões mais significativos de mulheres foi o da “Campanha Nacional” pelo “Aborto Legal, Seguro e Gratuito”, com uma compacta multidão de jovens, a dos lencinhos verdes, apoiadas por várias organizações políticas de esquerda. O projeto de lei para a despenalização do aborto já deverá ir para a Câmara dos Deputados neste mês, contando com os contrários na própria área governista de Cambiemos e numa parcela da oposição. 

Na medida em que o desastre econômico, a carestia, o desemprego, o ataque à educação e saúde pública aumentam, avolumam-se o desconcerto social, a violência, a circulação de drogas, os homicídios; sobretudo nos elos sociais mais débeis da sociedade: o trabalhador (mulher), o desempregado (mulher), a dona de casa e a mãe solteira e a sem teto. Tudo isso condimentado com o atraso cultural machista que circula transversalmente por todas as classes, conduzindo ao quadro mais trágico que é a do crescente femicídio. Diante de tal tragédia social na Argentina (e no Brasil) deflagrada pelos “invisíveis” títeres das grandes finanças internacionais, não há religiosidade que possa sustentar a hipocrisia de não laicos ou laicos na “defesa da vida” contra a campanha do “aborto legal, seguro e gratuito” nos hospitais públicos, para garantir a saúde e a vida de muitas adolescentes e mulheres. Já na Itália dos anos 77, o Vaticano perdeu a batalha do referendum pelo aborto, hoje legalizado. Nos nossos tempos, desde a alta cúpula da Igreja, do Papa Francisco, aos “padres pelos pobres” na Argentina, a defesa dos preceitos religiosos está obrigada a ser mais terrenal, descendo às causas da pobreza. Quando o papa Francisco pisa no chão e aponta a mão contra o capitalismo, há menos bases político-culturais para criminalizar a mulher pelo aborto. Por isso, há chances que a legalização passe no parlamento.

Mas, a manifestação do 8M, as suas consignas demonstram que o movimento social não se conformará apenas com a legalização do aborto. Não há como Macri tirar proveito político e usurpar o apoio popular. As mulheres são conscientes de que a legalização do aborto é um paliativo necessário, e que a raiz da desarmonia de gênero, de relações familiares, a desigualdade dos direitos trabalhistas e sociais não estão superadas; conscientes de que a vala entre os que menos tem e os mais ricos se aprofunda; de que a falta de um horizonte digno de emprego e escola pública para as crianças, começa a ser difícil de superar-se a curto prazo com este governo neoliberal. Lamentavelmente, é preciso contar o número crescente de suicídio de mulheres (das janelas dos edifícios ou nas vias de metrô) comparável ao ocorrido nos últimos anos na esquecida Grécia.

Cristina Kirchner enviou uma mensagem aludindo à grandiosidade deste 8M: “que não voltará mais a ser como antes”. De fato a pujança e criatividade desta manifestação na Argentina, transborda o chamado “feminismo”, se caracteriza pela união enorme de organizações políticas, sindicais, sociais, barriais, feministas, independentes, travestis, lésbicas, prostitutas, desfilando com rebeldia e criatividade atrás de cartazes políticos variados, escritos à mão por mulheres de todas as idades e segmentos sociais: “Contra o Ajuste”, “Contra a reforma da previdência”, “Sou o grito das que não estão”, “Aborto clandestino, femicidio estatal”, “ser mãe aos 11 anos não é uma bendição, é uma violação”, “Dia da mulher trabalhadora explorada, mas rebelde, disposta a conquistar metade do céu”, “Macri, se te resta um pouco de dignidade, renuncia!”, “igual trabalho, igual salario”, “Nem uma trabalhadora da imprensa despedida”, “Não à reforma trabalhista”. Sem dizer que a partir das 11 horas sob a convocação de “greve internacional de mulheres”, houve ausências significativas de mulheres nos vários locais de trabalhos. Respondendo a esse chamado internacional, houve manifestações e greves significativas no Uruguai e na Espanha.

Atrevo-me a dizer que este 8M na Argentina foi uma extensão da manifestação do 21F (duas semanas atrás) com cara feminina. Praticamente, a mesma união de forças sociais (porque não havia macristas, mas sim arrependidas de votar “Cambiemos”), demonstrando a energia e a capacidade das mulheres de dirigir; não vítimas, mas protagonistas, tão combativas como os “camionistas” do dia 21. Aí estiveram em primeira linha, as “Mães e avós da Praça de Maio”, que realizaram a sua volta número 2082 à praça de maio (desde a ditadura) e reinvidicaram suas filhas lutadoras desaparecidas. 8M foi um exército de mulheres, jovens herdeiras de protagonistas como Eva Perón e Cristina Kirchner, como tantas no mundo, das lutas das trabalhadoras desde os anos 1909 nos EUA e na Inglaterra até a resistência das mulheres contra o nazismo na defesa da União Soviética. Não é casual que foi na URSS que em 1920, a mulher conquistou a primeira lei do aborto legal. Com Evita e Cristina, ampliaram-se muitos direitos, como a lei do voto feminino, a aposentadoria e os direitos dos anciãos, e os direitos da infância. Direitos estes que estão sendo violados com o criminoso corte de verbas nas escolas públicas, na injusta política salarial do governo atual contra os professores. A maior parte do pessoal na aréa educacional é mulher, que além de ser mãe é, muitas vezes, chefe de família. Mas, este 8M deu uma sinalização muito forte, com poderosas organizações de professoras, de que o povo está atento; mulheres e homens para que a menina dos olhos da sociedade, a educação pública, não se toque.  José Marti já dizia: “enquanto os operários não forem homens cultos, não serão livres!”. Não é casual que a maioria do Parlamento cubano são mulheres.

O 8M deu muitas pautas de luta para as mulheres; e prometem voltar, não no próximo ano, mas já.

 

Helena Iono

10 de março de 1018

Buenos Aires

(*) Fonte: Ato de constituição da organização das mulheres cubanas (23/08/60)

Veja o video sobre a manifestação: https://youtu.be/3noOcD3AVMA


Palavras-chave: Dia internacional da mulher;8M;Mulheres argentinas;Argentina

{Acessos: 256}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Apoio incondicional à candidatura Haddad-Manuela e à coligação!
Pela composição mais ampla com todas as forças de esquerda, progressistas, nacionalistas e democráticas e dissidentes do regime ditatorial neoliberal e fascista! É preciso contar com as divergências do inimigo. É preciso emplacar Haddad no primeiro turno.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: