Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
A Hora chegou: e é agora e na rua!
31 de março de 2016 Batalha de Ideias
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Por Saul Leblon, do site Carta Maior


Muito do que acontecerá no Brasil nos próximos dias, meses e anos refletirá a abrangência das mobilizações que devem tomar as ruas do país nesta 5ª feira, 31 de março de 2016.

O destino da nação e a destinação do seu desenvolvimento dependem de cada metro quadrado ocupado nas ruas, praças e avenidas nas próximas horas.

Quando a história destes dias for contada, o registro da memória progressista não pode ser a omissão.

‘Vivia-se um interregno da história’, dirão os cronistas sobre estes dias de março de 2016. “O país podia pender para qualquer lado’.

Qual prevaleceu?

O dia de responder é hoje; a hora é agora e o lugar é a rua.

Exatamente 52 anos depois que interesses conservadores locais e estrangeiros, capitaneados igualmente pela mesma mídia, a mesma Fiesp, a mesma OAB derrubaram o governo reformista e democrático do então presidente João Goulart, abre-se o espaço para um repto popular e progressista.

Só os muito distraídos podem ignorar a semelhança entre a cepa dos interesses e argumentos embalados na urdidura de um impeachment ilegal, e o assalto a um poder que a urna não havia concedido à reação em 1964.

À suavização inicial –os militares prometiam eleições em um ano– seguiram-se duas décadas de repressão asfixiante.

O resto é sabido, mas não integralmente.

Ainda há desaparecidos, corpos destroçados e atrocidades ‘esquecidas’ nos porões onde florescia o matrimônio entre aparatos de triturar ossos e entidades empresariais cúmplices –as mesmas que retiram do armário seu paramento cívico para de novo ameaçar a democracia.

O fato de que um símbolo da podridão política, como Eduardo Cunha, dirija o processo de impeachment de uma mulher honrada como a Presidenta Dilma, deveria ser suficiente para devolver a palavra ética a um abrigo a salvo da ofensiva em curso.

Se a mídia insiste em direcionar a lama ubíqua da corrupção para justificar o injustificável, deve-se mais ao fato de o conservadorismo não poder explicitar suas reais intenções, do que a qualquer compromisso com o zelo da coisa pública.

O véu do noticiário sonega aos brasileiros a gravidade do que está em jogo para enfatizar a tese do “desgoverno” e da inexorabilidade do arrocho prescrito pela gororoba neoliberal.

Sem esse truque, o poder de convencimento conservador perderia em muito da eficácia alcançada nos dias que correm.

Intrigava que o governo endossasse o filtro em vez de rompê-lo como a encruzilhada brasileira exigia.

Ainda que tarde, a inércia se quebrou.

Luta a batalha do dia anterior quem ainda não se apercebeu da mutação registrada nas últimas horas.

A cerimônia desta 4ª feira, no Planalto, em que a Presidenta Dilma anunciou a contratação de mais dois milhões de unidades do Minha Casa-3, até 2018, esboça o caminho de uma conversão temida pelas fileiras do golpe.

Nela, a escumalha que desembarcou na 3ª feira, é vantajosamente substituída pela presença programática, política e física –direta- dos movimentos populares na concepção e gestão governamental.

A reação estupefata da mídia com o tom engajado das cerimonias no Planalto, onde a rede Globo e os golpistas são ‘celebrados’ por plateias cada vez mais aguerridas, mostra que há alternativas ao definhamento.

O governo renasce cada vez que cola o seu destino ao dos movimentos sociais, assim como desfalece sempre que dispensa exclusividade à busca de uma base parlamentar necessária, mas insuficiente.

Essa não é uma avaliação pictórica de cerimonias palacianas.

Trata-se de uma referência para a ação política imediata e desassombrada.

Aquela capaz de mudar a correlação e forças e de fazê-lo tão rapidamente quanto requer a audácia golpista.

Se há a compreensão por parte do governo de que o desembarque da 3ª feira zera o jogo e abre espaço a uma repactuação estratégica, é preciso traduzi-lo em maior presença efetiva dos movimentos sociais na composição do novo ministério.

Não é de ornamento popular que se fala.

Estamos falando do poder e da capacidade de exerce-lo em um cenário de ofensiva conservadora.

O sucesso desse salto depende da capacidade conjunta de governo, movimentos sociais, base parlamentar, centrais e forças democráticas em geral –inclusive as empresariais— de erguerem linhas de passagem para um novo ciclo.

Aquele ancorado em grandes pactos de salário, preços, juros, investimento, que devolvam à nação um horizonte econômico e à sociedade, a esperança no futuro.

Ter a visão integral do jogo é decisivo para arregimentar a correlação de forças necessária à retomada do desenvolvimento, em meio à estagnação global.

Excesso de capacidade produtiva, desprovida da demanda correspondente, explica a persistência da mais longa convalescência de uma crise mundial, desde 1929.

Não por acaso, depois de adicionarem lodo ao pântano sistêmico, desde 2008 – operação que os artífices da ‘Ponte para o Futuro’ pretendem replicar no Brasil– governantes de diferentes latitudes começam a descobrir o poder regenerador do salário mínimo.

A informação oportuna nos dias que correm é do insuspeito Financial Times, desta 4ª feira.

A depreciação salarial, o aumento da desigualdade e a corrosão dos direitos sociais figuravam nos dias de fastígio da farra financeira global como uma ‘externalidade’ inevitável, decorrente do ‘saudável aumento da concorrência internacional’.

A crise de 2008 deu uma espécie de aviso prévio a essa presunção, que agora faz água por todos os lados.

A Alemanha introduziu em 2015 seu primeiro salário mínimo, informa o Financial Times. O governo conservador inglês decidiu agora ir além, conta o jornal, ao acelerar a recuperação da base da pirâmide salarial, medida igualmente adotada no Japão e por um número crescente de cidades nos EUA.

No Brasil, não.

Aqui, o conservadorismo enxerga no ganho real de 70% do salário mínimo, desde 2003, uma das causas do ‘desmanche’ da economia, para a qual advoga um lacto purga de arrocho e privatizações –o que anulará o pouco que ainda resta de poder do Estado para implementar soluções nacionais a desafios que foram globalizados.

A incapacidade de ação do Estado figura na raiz do descrédito que democracia e a política enfrentam hoje no Brasil.

Pesquisa recente do Data Popular (Valor 29/03) constatou que ‘95% dos brasileiros acham que o país vive uma crise de perspectiva; e 89% são incapazes de apontar um nome em condições de tirar a nação do impasse.

É mais difícil que isso, porém.

Não basta um nome.

É preciso que ele expresse uma coalizão de forças capaz de sustentar a verdadeira ponte para o futuro.

Um ministério dotado de forte incidência junto aos movimentos populares, com capacidade de negociação para repactuar conflitos e escolhas do desenvolvimento, pode preencher esse requisito.

Se quiser derrotar o golpe e a recessão, o governo Dilma terá que explorar essa liberdade que a crise colocou na sua mesa.

Reinventar-se para devolver à democracia o poder de dizer não ao mercado e aos seus açougueiros.

É disso que se trata.

A hora de dar a resposta chegou.

E um pedaço dela terá que ser proferida na rua.

Hoje e agora.

 


{Acessos: 134}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: