Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
A função anti-imperialista da Rússia
11 de setembro de 2014
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

A ação desestabilizadora dos EUA contra a Rússia é uma clara demonstração que entramos num período de guerra fria, de grande turbulência política e com risco de ocorrer uma guerra global, com a utilização de armas atômicas.

A guerra na Ucrânia, o genocídio cometido por Israel contra o povo palestino, a retomada da intervenção militar do EUA no Iraque, a guerra na Síria e as sanções econômicas da Europa e dos EUA contra a Rússia são noticiados como fatos isolados mas precisam ser entendidos como uma ação do imperialismo contra a humanidade. A Rússia se tornou um centro político anti-imperialista.

A Rússia tem cumprido um papel importante ao ser protagonista de uma luta contra a ação do imperialismo. Depois de serem envolvidos em resoluções da ONU pouco explícitas sobre o Iraque e a Líbia, a Rússia, com o apoio da China no CSONU, impediu uma invasão direta da OTAN e dos EUA na Síria. Interviu politicamente na Crimeia, possibilitando um plebiscito que permitiu a sua incorporação a Rússia.

A guerra fria é uma caracterização de que a correlação de forças mundial está chegando a um ponto que a única saída da crise do EUA e do capitalismo em geral é a guerra. Guerra em todos os sentidos: econômica, política e militar. Quem faz guerra no mundo é o imperialismo anglo-americano e não a China, Rússia e Irã.

Desde que a ex-URSS se desestruturou, o mundo se organizou, vamos assim dizer, em vários blocos como a Eurásia, o Brics, a Celac, o Mercosul, Alba. A China passou a ser uma das fortes econômicas do mundo e mesmo com laços econômicos profundos com os EUA, em nada ajuda a estabilizar a crise econômica desta nação.

Os EUA já não tem mais a hegemonia econômica do mundo. O acordo de 40 anos, nas mais variadas áreas da economia, entre Rússia e China, cria definitivamente outra correlação de força mundial favorável as estruturas dos Estados Operários. Situação reforçada pela decisão dos países do Brics de criaram o Banco e o Fundo dos Brics.

Neste cenário, cabe destacar a função anti-imperialista da Rússia e da direção de Putin. Podemos destacar a recente carta de Putin dirigindo-se ao povo norte-americano por ocasião da guerra na Síria, cumprindo uma função de fomentar a discussão política do povo norte-americano em relação a política assassina da direção dos EUA. Putin impulsionou a autonomia da Crimeia e tem se posicionado firmemente em relação ao golpe de direita fascista na Ucrânia.

O entendimento deste processo passa por entender o que significa a estrutura do Estado operário. Mesmo que a ex-URSS tenha se desestruturado, ficaram ai as estruturas do Estado operário, com a tradição da construção do socialismo e ao mesmo tempo a lição de não repetir os erros e crimes do Stalinismo. Entendimento este reivindicado por Putin nas suas intervenções junto as massas russas e pelo mundo afora.

A proposta de criação de um movimento anti-dólar por parte de um assessor de Putin, coloca em cheque a economia norte-americana, a economia europeia e em último instância a existência das potências capitalistas. A tão propalada crise do capitalismo se manifesta de forma extrema. Neste sentido, as estruturas dos Estados operários russo e chinês estão se regenerando, num contexto de guerra fria. Regeneração sui generis que significa resgatar os princípios e programa de construção do socialismo.

Chamamos as todas as forças progressistas do mundo, a apoiar a proposta de Putin, de criação de um movimento anti-dólar. No entendimento dos russos, trata-se de uma ação para conter a guerra dos EUA contra a humanidade mas no nosso entendimento, o imperialismo anglo-americano vai aprofundar a guerra, por uma questão de classe. É preciso somar-se a ação da Rússia e de Putin. Somar-se ao enfrentamento que a Rússia está fazendo contra os EUA e alguns países da Europa, organizando uma Frente Única Mundial Anti-imperialista e colocar em discussão um programa de desenvolvimento das nações em base ao socialismo partindo das estruturas dos atuais Estados operários.

Conselho Editorial

Jornal Revolução Socialista

8 setembro de 2014


{Acessos: 170}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: