Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
A guerra contra a Síria, as mobilizações na Turquia e a crise do imperialismo
28 de julho de 2013 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp
Putin e Obama na reunião do G8 na Irlanda do Norte

A crise na cúpula do imperialismo USA não é absolutamente superficial. O assassinato do embaixador americano em Bengazi que organizava a expedição de armas e terroristas na Síria foi uma pequena demonstração de que as suas contradições os levam a enfrentamentos internos. A guerra na cúpula do imperialismo se expressa no campo internacional. Tudo para salvar o sistema: seja contendo os terroristas canibais, a Turquia, Qatar ou Israel, seja prosseguindo com o plano que iniciou-se com a chamada “primavera árabe” e com a destruição da Líbia.

 

Se não tivessem ocorrido tantas intervenções de vários estados imperialistas, do menor ao maior, a situação na Síria já teria sido resolvida há tempo, sem que morresse ninguém. No entanto, no projeto geral da “primavera árabe”, depois da Líbia, o passo seguinte seria a Síria, para em seguida, passar ao Líbano e à resistência palestina, até chegar ao Irã. E tudo isso como passo transitório para o plano verdadeiro que é contra a Federação Russa e o Estado socialista da China, através da Coréia do Norte.

 

A Síria é um Estado revolucionário com muitos aspectos socialistas, como foi a Líbia, onde o povo tem direito à casa, à saúde e à educação e informação gratuitas; onde metade do parlamento é formado por representantes de trabalhadores e as minorias têm direito à autonomia como os curdos e os armênios, com milícias populares com menos contradições de classe que o Irã revolucionário e todos os outros Estados do Oriente Médio, mas com os defeitos do Partido Único, sobretudo devido ao desenvolvimento do mercado e das trocas no campo privado com os países límitrofes, incluindo o Irã, em que uma certa burguesia preme pela diversificação e pelo multi-partidarismo. Por outro lado, o motivo pelo qual o exército sírio tem sido firme contra a intervenção macabra, direta ou indireta, de tantos estados agressores é a própria coesão das massas sírias entre si e com o exército popular.

 

Se neste período não houvesse o intervalo dos 4 anos de governo Medvedev na Rússia com a política nacionalista e de conciliação com o imperialismo, muitos fatos dolorosos não teriam ocorrido no mundo, mas agora com Putin, que apesar de ser do mesmo partido, é diametralmente oposto no campo militar e da diplomacia internacional. Com os mísseis S300 e S400 à Síria e talvez ao Irã, a intervenção decisiva do Hezbollah libanês para acabar com os terroristas na cidade síria de Algosayr na fronteira com o Líbano, as coisas se voltam contra a intervenção norte-americana e da OTAN. Nesta derrota, como no parcial recuo dos grandes do G8 frente às decisivas pressões da Rússia de Putin na firme defesa da Síria de Bashar Al Assad, se insere a vacilação da administração Obama que quer impedir a queda do sistema capitalista e imperial, antes que todo o mundo se transforme num desastroso Iraque,  Afeganistão ou Líbia. Ele se põe de acordo com Putin contra os terroristas de Al Nosrat, mesmo contra o governo intervencionista turco, e o velho regime do Egito e, inclusive contra o governo de Netanyahu e contra a “no fly zone”; mas a cada passo encontra o campo minado.

 

No cenário da diplomacia mundial estão em jogo forças bipolares tremendamente ativas e agressivas em cada lado, separadas por uma fratura geológica e vulcânica que divide em dois os vários governos e estados, inclusive o norte-americano. Os chamados falcões e o governo americano atuam independentemente, como as dezenas de generais reformados que ontem entraram na Síria, via Turquia, ou como o ataque de Israel contra uma base militar perto de Damasco. 

 

As ameaças são permanentes de ataque ao povo sírio e a situação está por um tris, como caminhar sobre o fio da navalha; por isso, a compreensível reação de Assad depois do ataque militar aéreo de Israel, alertando que a Síria não atacará de represália e, quando decidir, será parte de uma estratégia, similar à da advertência feita por Ali Khamenei, supremo líder islâmico do Irã, de que se Israel se atrever a passar das ameaças contínuas à provocação, o Irã atuará por consequência contra Tel Aviv e Haifa. Logicamente a Rússia de Putin que dá trânsito ao ex-consultor norte-americano da NSA (Agência de Segurança Nacional) que revelou material sigiloso aos jornais do mundo, não é a mesma que vacilou no Conselho de Segurança da ONU na questão Líbia. Trata-se de umaRússia que expressa um posicionamento de integração com a CELAC e a América Latina, de enfrentamento com o imperialismo, estreitando laços com a China, como duas potências históricas, que apesar de algumas deformações burocráticas não superadas,  mantêm a estrutura basilar de Estados socialistas. A assembleia popular de 5 horas realizada por Putin, e transmitida ao vivo pela TV estatal russa, é alentadora: os ventos da Venezuela sopram além dos montes Urais.

 

Deste ponto de vista, podem ser interpretados os fatos turcos. Por diversos últimos anos, a Turquia foi atravessada pelas mais imponentes manifestações populares contra o imperialismo durante o próprio governo de Erdogan. Ele surgiu como o mal menor, após a derrubada violenta do islâmico Najmeddin Erbekan. Ele mesmo, com a mulher coberta pelo véu islâmico, foi aceito como um governo popular, laico e islâmico. Fez muitos acordo com o Irã no plano energético, de trânsito e intercâmbio com enormes investimentos, sobretudo por parte dos iranianos que tentaram comprometê-lo. Erdogan chegou a promover o acordo com Irã e Brasil para o enriquecimento do urânio iraniano a 20% para fins pacíficos; que foi impedido pelo imperialismo. Nos primeiros anos, tudo indicava que buscava chantagear com União Europeia,  dirigindo-se ao oriente, ao Irã, à Russia, à Ásia Central, à China. Não era esta a intenção. Ao provocar o incidente da frota dos pacifistas (“La Libertad”) para a Palestina, que deveria ser acompanhada pela marinha turca, e o conflito com Pérez de Israel, abandonou a reunião, com Abdullah Goel, e substituiu o Ministro das Relações Exteriores por Davudoglu, passando a uma política de aberta submissão aos planos de agressão da OTAN contra a Síria e participando do embargo contra o Irã, pensando como todos os oportunistas e carreiristas que poderia continuar gozando da popularidade inicial.

 

Um jovem turco em Istambul, que não conseguia comunicar-se com os turistas iranianos, expressou-se levantando o punho como se fosse “Superman”, gritando: “Ahmadinejad Superman! Superman!”. Todo este sentimento está no povo turco que se sentiu traído por quem lhe havia depositado confiança. Erdogan chantageou pessoalmente, inclusive aos sindicatos que pediam 5,5% de aumento, dizendo que isso prejudicaria as negociações feitas com a Alemanha e o mercado de vendas. Agora, os sindicatos também foram às ruas. O processo é tão veloz que caminha em direção à guerra civil. O governo não usa sequer a política do bastão e da cenoura; ele parte diretamente para a força militar, e os que o apoiam chamam à intervenção do exército.  Ao reprimir brutalmente a população com gases e prendendo 5.000 pessoas, estão brincando com fogo.

 

Neste campo, John Kerry intervém para conter “os excessos” turcos, que se transformaram no baluarte da intervenção militar na Síria. A explosão e o massacre de mais de 40 pessoas na cidade turca na fronteira com a Síria teria sido uma advertência contra qualquer tentativa de recuar perante uma intervenção violenta contra a Síria, onde o sul da Turquia é um campo ocupado pelas forças imperialistas e terroristas como “Black Water” depois da sua saída do Iraque, ou da Líbia como centro de distribuição de tais forças,  existentes em Qatar, Arábia Saudita, Jordânia, Tunísia, etc…

 

Tudo isso é motivo de ódio da população turca contra Erdogan, e nenhuma chantagem de Erdogan, que, para recuperar-se, dar-se razão e retornar o sentimento nacional turco, não encontra nada melhor que atacar, dentro dos limites aceitáveis a falsa democracia dos estados europeus. Mas, não conseguirá conter os altos e baixos das manifestações que a partir de um simples motivo de mudança numa praça, conseguiram crescer pela destituição de Erdogan e Daudoglu, em solidariedade com o povo siriano e com o governo de Bahar Al Assad.

 

25 de junho de 2013

 

(Do nosso correspondente especial sobre Oriente Médio)


{Acessos: 138}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: