Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
A valentia do nosso Chávez e o alerta contra o império
30 de junho de 2011 Artigos Edições Anteriores Politica
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Não é comum ver o comandante Chávez ler uma mensagem, dado que estamos acostumados a ouvi-lo improvisar longos discursos ou conversações. Por isso, nesta hora fatídica, vendo-o ler quase um relatório médico que fala sobre a sua saúde, com a mesma coragem daquele glorioso 4 de fevereiro de 1992, do “Por enquanto!” (1) e corajosamente assumir a responsabilidade pelo levante, como nos dias sombrios de 11 e 12 de Abril de 2002, seqüestrado pelos militares fascistas, reduzido, e, com a astúcia de uma raposa, consegue enviar uma mensagem ao seu povo, mudando assim o curso dos acontecimentos, e às 47 horas retomando o poder graças à ação do povo/exército.

Hoje, o vemos com a mesma valentia, a face triste, um pouco magro, mas de pé, forte, otimista e transmitindo a fé ao povo e exortando-nos a continuar a luta pelo socialismo. Como este líder cresce na adversidade! Que líder de quilates tão altos que nós, os venezuelanos, nos damos ao luxo de ter! Que outra fé o levanta, senão o amor a seu povo e à revolução bolivariana, e à certeza de que a mudança social é profunda?
Ninguém contava com isso, nem o próprio Chávez que hoje assume publicamente que cometeu erros importantes com a sua própria saúde. Ele, na sua paixão incomensurável com a revolução, ultrapassou sua força física, com uma atividade fora do normal, um homem-vendaval, que quer que tudo seja feito rapidamente e bem; mas sacrificou sua saúde, e talvez essa descoberta inesperada de uma doença na região pélvica, que felizmente foi detectada e extirpada pela magnífica medicina e ciência cubana, o obrigue a mudar os ritmos da sua atividade, considerando que ainda tem um ano e meio de governo e que 2012 é um ano eleitoral e nessa jornada em que a revolução bolivariana e socialista aposta a sua sorte e o seu destino, ele deve estar em ótimas condições para a vitória esmagadora que obteremos, e a sua reeleição será uma garantia fundamental para a continuidade revolucionária.


Há vários casos recentes na América Latina de presidentes acometidos por doenças graves como a que hoje afeta o presidente Hugo Chávez: a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, que sofria de câncer linfático; o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, que também teve câncer linfático. Todos superaram seus males e estão dirigindo seus povos. Ao que tudo indica, a do Chávez é menos grave.
Mas tão esmagadora revelação que chocou todo um povo, não nos pode abater e fazer-nos descuidar diante das astutas ciladas do vil e voraz imperialismo norte-americano e seus lacaios crioulos. Sabemos quão maus e canalhas são, e que vão tentar confundir e explorar esta circunstância. É preciso preparar-se para enfrentar a conspiração de Obama, do fascismo e do neo-fascismo crioulo que começará com o pútrido esgoto da Globo Terror, da União Rádio, do jornal El Nazional e o do Universal e toda a sem-vergonhice dos meios nacionais e internacionais, que, sem dúvida, vão tentar tirar proveito da situação política e tentarão desestabilizar. É preciso impedir isso; impor a lei “Resorte” (Lei de Responsabilidade Social) para os canais de televisão, fazer com que a cumpram, e se a violam, fechá-los !
É preciso ocupar as ruas! Não ceder os espaços, nem permitir que a direita e a extrema direita externem suas asquerosas garras golpistas.  Se a direita armar provocações, a força do povo na rua deve derrubá-la! Unir-nos mais, fortalecer a revolução, os movimentos sociais, os partidos de esquerda!  Unir e afinar o Exército e ativar as Milícias Populares! É preciso preparar-se para tudo e colocar a mão firme frente à contra-revolução. Não deixar que passem provocações, nem que deixar que se agrupem forças para lançar e destruir a revolução.
É hora que saia à arena a liderança que foi forjada com a revolução, os homens e mulheres que se têm forjado no calor destes 12 anos de luta revolucionária e a legião de revolucionários que sempre lutaram na frente de uma esquerda que nunca vacilou: o PSUV, o PCV, o PRT, o MEP e a legião de organizações operárias, camponesas e estudantis.
O tempo é primordial, único e, como povo e como vanguarda revolucionária há que marchar como um único povo, continuar a obra de Chávez e da revolução.

30 de junho de 2011


{Acessos: 174}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: