Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
A viagem do presidente Ahmadinejad do Irã aos países da ALBA
27 de outubro de 2012
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

A turbulência iraniana continua ainda à flor da pele, mas a sua violenta carga de energia explosiva é visível nas duas viagens atuais e contrapostas: a do dirigente máximo do governo revolucionário Ahmadinejad no Estado Operário cubano e nos Estados Revolucionários e membros da ALBA (Venezuela, Equador, Nicarágua); e do outro lado, a viagem do reacionário Ali Larijani, capo do parlamento iraniano, à Turquia, justamente no momento em que ocorreu o assassinato de outro cientista nuclear, e quando o Estreito de Hormuz se transformava no centro das tensões militares entre o Irã e o imperialismo, quando este tenta estrangular a revolução iraniana impondo o embargo petroleiro.

A presença dos navios militares russos nas águas e no Porto sírio demonstra que o centro da tensão no Oriente Médio é sem dúvida a Síria, com a pressa imperialista de prosseguir com os planos contrarrevolucionários iniciado com a destruição do Estado popular líbio.

A rápida viagem de Ahmadinejad, enquanto prepara também militarmente a frente antiimperialista e revolucionária, amplia a luta interna contra as tentativas reacionárias em escala internacional, importando, por sua vez, a qualidade e o prestígio dos processos, Estados, governos e dirigentes revolucionários como Chávez, Fidel, Correia ou Ortega.

Dentro em breve, ocorrerá o aniversário dos 33 anos da revolução islâmica em meio aos preparativos das eleições parlamentares – uma das mais decisivas na história da revolução e da luta pelas transformações anticapitalistas no Irã. A viagem de Ali Larijani tem também seu peso e suas contradições. Erdogan, o primeiro ministro da Turquia, membro da Otan, tenta derrubar o governo de Assad na Síria, intervém junto aos emissários americanos em apoio a Tariq al Hashemi, ex-vice do primeiro ministro iraquiano, acusado de haver colaborado com o terrorismo de estado e ameaçado debaixo do pano ao governo iraniano. Mas, a Turquia não é somente o seu governo e muito em breve não será Erdogan a decidir os seus destinos.

As intervenções incessantes das massas que bem se vê em um pequeno país como o Bahrein, sede da V Frota Naval dos EUA, estão trazendo à luz a verdade, revelando o verdadeiro caráter dos contrarrevolucionários e dos reacionários que até hoje fingiram de ser verdadeiros islâmicos, nacionalistas ou revolucionários no Irã, como no Oriente Médio, ou nos Emirados do Qatar com a sua emissora Aljazeerah, que até a guerra contra a Líba parecia ser amigo do governo iraniano.

Isto sucede em todos os países como no Egito e sobretudo no Irã onde o peso do processo contraditório da revolução no Oriente Médio incide e estimula a intervir na formação das novas direções revolucionárias antiimperialistas e anti-capitalistas. A viagem de Ahmadinejad à Venezuela de Chávez até o Equador de Rafael Correa demonstra uma clara vontade e possibilidade de separar-se das pressões, recatos e insídias internas e tirar de cima o peso nefasto e asfixiante das burguesias reacionárias mafiosas, contrabandistas e parasitárias representadas por Rafsanjani e todos aqueles que estão por trás do golpe de veludo verde de 2009. Em menos de um ano o Irã passou do perigo de um golpe de estado sutil que obrigou Ahmadinejad a desaparecer de circulação por 11 dias, à sua viagem aos países do ALBA e a discutir por 3 horas com Fidel Castro preparando planos para os próximos passos.

Ahmadinejad, o dirigente revolucionário iraniano transporta consigo a força da revolução iraniana e do Oriente Médio aos países latino-americanos e retransporta o prestígio do Estado operário cubano e dos Estados revolucionários da América Latina e das suas idéias de transformação revolucionária no meio da turbulência e formação de novas direções revolucionárias do Oriente Médio.

Há poucas semanas, uma importante comissão parlamentar apresentou um relatório de 700 páginas sobre tudo o que ocorreu nos bastidores da contrarrevolução de veludo de 2 anos atrás com tantos personagens importantes comprometidos com personagens e o ambiente imperialista, desde Khatami, Mussavi até Mehdi Hashemi Rafsanjani. Apesar de que a sua leitura foi interrompida, ele existe e funciona como detonante e obriga também o Judiciário a se posicionar, ou a se dividir; e de toda forma, estará diante de uma encruzilhada e terá que intervir.

Há uma semana, finalmente após 30 anos de absoluto poder dentro da maior universidade do Irã, Jaspi, braço direito de Rafsanjani, foi caçado. Há muito que já o deveriam ter caçado. Mas, é muito importante o fato de que tenha se decidido a acabar com a festa destes fantoches usurpadores que se enriqueceram às custas das massas e das energias e possibilidades da revolução iraniana.

A viagem de Ahmadinejad realizada a contragosto da oposição interna no Irã, bem como da direita na Venezuela, não foi um salto mortal e nem tem pernas curtas. A sua velocidade não expressa debilidade, mas ao contrário, uma grande decisão da direção revolucionária e de Ali Khamenei numa situação efervescente, sem possibilidade de postergação, nem de espera, sem se submeter ao recato de vários “caciques” de aiatolás reacionários ou dos aparatos parasitas e de todo o mecanismo de corrupção do passado e do presente. Os prazos se encurtam e se impõem. Após as eleições parlamentares resta somente um ano e meio para o executivo terminar tantos projetos iniciais e incompletos, seja pela lentidão das intervenções, seja pelos recatos e sabotagens do parlamento e dos aparatos financeiros, bancos, previdência social, bazar e a magistratura, etc… Dito isto, significa esperar de agora em diante muitas novidades que significarão limpeza, seleção e saltos na direção das transformações sociais, mas que não serão absolutamente indolores. Há de se prever que a reação intervirá com toda sua força para se vingar e criar maiores danos possíveis.

Os revolucionários sabem onde e como intervir e o que falta até o momento, camuflada sob o manto da paciência islâmica para evitar maiores danos. Agora, se revela nesta decisão que levou o presidente revolucionário nesta viagem que foi, nada mais, nada menos que aos países da ALBA e a Fidel Castro.

O ataque à Líbia, que teve , entre outras coisas, o objetivo de separar e de isolar o Irã dos seus aliados estratégicos na América Latina, como já ocorreu em relação à Russia, para fazer vencer os amigos oportunistas e conciliadores da Otan, agora, se transforma no seu contrário, com possibilidades de um salto de qualidade nas decisões indispensáveis para as transformações socialistas e para organizar a Frente Única Antiimperialista mundial.

Do correspondente do
Jornal Revolução Socialista em Teerã
M.K


{Acessos: 139}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: