Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Argentina: A “Ley de Medios” não se toca!
18 de dezembro de 2015 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Argentina:

A  “Ley de Medios” não se toca!

Em menos de 1 semana, o novo presidente da Argentina, Maurício Macri, começou a tirar a máscara da sua carnavalesca assunção. Iniciou a martelada com decretos presidenciais, passando por cima dos mecanismos democráticos, e do Congresso, tratando de impactar, favorecendo seus sócios eleitorais, desde a oligarquia do campo, financeiros, monopólios industriais, Judiciário, o Clarín e os latifúndios midiáticos. Está em marcha uma verdadeira “ditadura legal”, como aqui já se comenta.

 

Uma das ameaças mais graves, anunciada pelo novo Ministro das Comunicações, Oscar Aguad, e que já começou a ser contestada anteontem por várias mobilizações nas praças desde Buenos Aires (veja vídeo em anexo), La Plata, Córdoba com promessa de estender-se nos próximos dias em todo o país, é a modificação da “Lei dos Serviços de Comunicação e Audiovisual”, conhecida “Ley de Medios”, que foi promulgada por Cristina Kirchner em 2009 e substituiu a Lei de Radiodifusão de 1980 do período da ditadura militar. A “Ley de Medios” tem sido uma arma para limitar o poder dos grandes grupos econômicos vinculados a matrizes internacionais dos EUA, proprietários de diversos canais de rádio, televisão e jornais (Clarin, La Nación), um verdadeiro império midiático de desinformação e oposição às políticas públicas adversas a seus interesses privados. A lei limita a acumulação de licenças de transmissão por cabo e por ar a estes grupos monopolísticos dos quais Magnetto é um dos proprietários; ela mudou radicalmente o sistema público e privado da mídia audiovisual, abriu espaço às instituições públicas, movimentos sociais, e universidades e sindicatos, estimulando a formação de cooperativas de jovens trabalhadores da comunicação social; tudo isso não está dissociado da mudança de conteúdos: a lei tornou obrigatória uma percentual maioritária de produção nacional e cultural nas programações. Neste período áureo do governo kirchnerista, criaram-se canais infantis de valorização da cultura dos povos originários e independentista latino-americana (Paka-Paka), da ciência, da arte e da história (Encuentro), Programas de real interesse social na TV Pública (debates políticos como 678, futebol para todos, Discursos e informações governamentais).  

 

Não obstante, a oposição dos monopólios privados continuou exercendo sua pressão nestes 6 anos. O grupo Clarín se recusou a aplicar artigos da lei, mediante cautelares que tiveram suas aprovações pela Corte Suprema com a cumplicidade dos setores conservadores da Justiça. Durante a campanha eleitoral fizeram guerra aberta contra Martin Sabatella (FPV) presidente da AFSCA (Autoridade Fiscal de Serviços de Comunicação e Audiovisual) que é o organismo de governo que controla a aplicação da “Ley de Medios”.  Bastou Macri ser nomeado presidente que o seu ministro das comunicações pediu a renúncia de Sabatella que resiste a aceitá-la porque o seu contrato vence somente em dezembro de 2017. “Renunciar significa ser cúmplice da ilegalidade”, disse Sabatella. A AFSCA, não só resguarda a “Ley de Medios”, como põem em marcha um projeto comunicacional de inclusão, que abarca cooperativas juvenis e meios comunitários. O governo impõe à AFSCA que passe ao mando do Ministério das Comunicações, transgredindo o fato de que ela é uma autarquia.

 

Outro ataque dentro desta guerra midiática é a ameaça de abolição do programa 678 na TV Pública, que passa agora à direção macrista. Este programa, quase diário, com um quadro de jornalistas, de clara identidade peronista-kirchnerista, de elevado preparo político, tem sido um instrumento de denúncia e desmonte objetivo das falsidades midiáticas veiculadas pelo Clarín, e canais privados como TN e Canal 13. Os governantes macristas decretam fechar essa janela da TV Pública, em nome da pluralidade de um canal público-estatal. Quando, como bem recordado pelo jornalista Victor Hugo Moráles, os canais privados, que são a maioria, e que bombardearam sempre o governo de Cristina, se servem do subsídio do Estado para veicular mentiras e instigar o terror. Aos macristas que acusam 678 de ser agressivo, reiterou que agressão é deixar os 48,6% de eleitores, sem esta tela e voz não oculte a verdade e que responda a suas preocupações sociais. Uma tortura midiática, um verdadeiro atentado à democracia. O temor que tem a oligarquia midiática ao 678, é que não só informa a verdade, mas é um instrumento de análise e formação da consciência política favorável à justiça social.

 

Por esses dois fatos relevantes de ataque à democracia comunicacional, a Praça de Maio volta a povoar-se com os convocados pelas redes sociais, os chamados “empoderados”, jovens, mulheres, comunicadores sociais, jornalistas, cinegrafistas, militantes dos movimentos sociais, legisladores, intelectuais, artistas, ex-funcionários do governo kirchnerista, defensores dos direitos humanos.  Foi um primeiro recado contra a revogação da “Ley de Medios”, que promete crescer. Cartazes e brados como: “A Ley de Medios não se toca”, “Se tocarem na Ley de Medios, o bicho vai pegar!” 

 

Macri assinou em poucos dias vários decretos para assegurar uma estrutura econômico-político-jurídica do projeto neoliberal e de acordo com o FMI. A abolição da “Ley de Medios” se adapta a salvaguardar essa estrutura.

 

São vários decretos que ameaçam retroceder o projeto nacional e popular conquistado.  " Outro decreto revogou a lei que obrigava o empresariado a informar ao Estado preços e lucros. Decretou a eliminação do subsídio estatal à eletricidade e gás, portanto, aumento das tarifas a partir de janeiro. Enfim, estas são algumas das medidas que demonstram a linha de desmonte do papel de controle e participação do Estado, levando ao desastre da economia de mercado. Isso, sem levar em conta os juros que decidirem pagar aos Fundos Abutres. Tudo isso, sem esquecer que o governo acaba de decretar o fim da obrigatoriedade de retenção de 30% sobre o investimento de capital estrangeiro. O capital especulativo poderá ir e vir a qualquer momento, levando cifras enormes. Quem vai pagar tudo isso? Já se sabe. O povo, incluindo muitos que neles votaram. Dados divulgados publicados por "La Resistanze" dizem: As medidas de eliminação de impostos aos exportadores de trigo, milho (e diminuição do da soja) favorecem a 15 grandes grupos econômicos que deixam de pagar 84 bilhõe de pesos; enquanto que o fim ou redução dos subsídios á água, luz e transporte afeta as casas, o comércio, a indústria argentina que passam a pagar 86,9 bilhões de pesos.

A redução de custos via desemprego não só é inevitável, como já iniciou. As medidas de arrocho não tem caráter estritamente econômico, mas político: acabam de desempregar todos os trabalhadores de cooperativas que prestam serviços ao Espaço de Memória e Direitos Humanos (ex-ESMA); Macri desativa o salão das Mulheres Argentinas na Casa Rosada, em que havia homenagens a mulheres célebres como Eva Peron, Avós e Mães de Praça de Maio, Mercedes Sosa e outras, e onde Cristina realizava transmissões em Cadeia Nacional e videoconferências. Enfim, a mensagem é clara: romper com a Memória e a Verdade.

 

Para Macri impor este retrocesso servem-lhe dois instrumentos: a Mídia e o Judiciário. Por isso, além de atacar a “Ley de Medios”, escolheu por decreto 2 juízes para a Corte Suprema da Justiça, como Horacio Rosatti e Carlos Rosenkrantz, ligado aos interesses das corporações midiáticas.  Sem consultar os 2/3 da maioria do povo no Senado (que poderia fazer convocando sessão extraordinária) decretou 2 juízes que deveriam servir a essa maioria. Jurou 2 dias antes pela “verdade” e que o poder Judiciário seria neutro e apartidário, e agora? Aí estão 2 juízes para ameaçar a previsível contestação social diante das medidas econômicas neoliberais de Macri, e acabar com a Verdade e a Memória. A incógnita é saber se vai conseguir, pois nada indica que os 48,6% vão se calar, e a Memória, e os 12,5 anos de kirchnerismo e dignidade não se apagam com decretos.

 

Amanhã, dia 17, Os deputados da FPV, sindicatos, movimentos sociais (desta vez com adesão organizada de “La Campora”, movimento Evita, Novo Encontro, Unidos e Organizados, CTA) a juventude, artistas, intelectuais, jornalistas e comunicadores sociais, irão se manifestar diante do Congresso com a palavra de ordem: "Para fortalecer a democracia necessitamos a pluralidade de vozes".

Enviados especiais
TV Cidade Livre, canal comunitário de Brasília

 

1)   Video da manifestação do dia 14 de dezembro, diante da Casa Rosada.  

https://m.youtube.com/watch?v=HDsO8THIzpQ

 Video da manifestação do dia 17 de dezembro, diante do Congresso Nacional. 

https://www.youtube.com/watch?v=mGaXJSGeMyU

Estes vídeos foram realizados por uma das Cooperativas de Audiovisuales de comunicadores sociais (Coolapsa), fruto da “Ley de Medios”.

2)   Sugestão de leitura: Artigo de Décio Pignoti, publicado no:

http://www.cafenapolitica.com.br/terrorismo-e-repressao-contra-aimprensa-livre-na-argentina/

 

 

 


{Acessos: 153}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: