Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Argentina: Memória, Verdade e Justiça
29 de março de 2015
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Ditadura, nunca mais!

Marcharam 350 mil, no dia 24 de março, em Buenos Aires, a 39 anos do golpe de Estado cívico-militar na Argentina que cometeu um dos mais hediondos crimes de lesa-humanidade da América Latina, provocando 30 mil desaparecidos. “Memória, Verdade e Justiça” foi o lema da manifestação.
 
Um coletivo social imponente de cidadãos, organizações pelos Direitos Humanos, peronistas, kirchneristas, juventude, mulheres, sindicatos, marchou junto aos movimentos das Mães e das Avós da Praça de Maio e familiares de desaparecidos, com tambores, bandeiras e faixas diversas, entre as quais  “Ditadura, nunca mais!”. Dirigentes destacadas como Hebe de Bonafini, ao lado das mães-coragem dos irrompíveis lenços brancos, desfilaram sob calorosa ovação num caminhão gigante, acompanhadas de dirigentes políticos da coligação kirchnerista (FPV). Palavras de Estela de Carlotto, a avó que recentemente descobriu seu neto, Guido Carlotto, sequestrado na prisão dos braços da sua mãe assassinada, vibraram o público que clama por mais justiça.
 
Antes de 2004 sempre houve manifestações com a bandeira dos direitos humanos, mas menores e no silencio. A partir desse ano o falecido ex-presidente Nestor Kirchner instituiu a Memória, a Verdade e a Justiça transformando em museu a ESMA (Escola Superior de Mecânica da Armada) que pertenceu à Marinha e serviu de prisão e centro clandestino de tortura durante a ditadura do general Videla. A partir daí, e até os dias de hoje, sob Cristina Kirchner, em todos os 24 de março, pontualmente, as marchas se agigantaram, e as conquistas são fatos: 600 genocidas condenados, 900 processados e 116 netos recuperados. Mesmo assim, clama-se por justiça até o fim: “Defender a vitória alcançada e avançar por mais democracia”.
 
O golpe é caracterizado como um conluio cívico-militar-eclesiástico-econômico. Por isso dizem: “Temos um país sem genocidas pelas ruas, mas é preciso que a corporação judicial aceite que também sejam condenados os participantes civis do horror”. Denunciam os julgamentos onde o Judiciário tem favorecido proprietários do jornal Clarin, La Nación, da revista Para Ti, da Nova Província, e o dono da Ledesma (empresa agro-industrial), cúmplices de assassinatos e perseguições. (*)

São esses poderes midiáticos que instigam o chamado “golpe suave” contra a gestão kirchnerista, que tem aplicado um projeto nacional de soberania e direitos humanos, rompendo com o FMI e o neoliberalismo. Recuperaram-se empresas do Estado privatizadas nos anos 90 (Aerolíneas Argentinas, YPF, Empresa de Correios, Águas, Empresa Ferroviária “All Ferrocarilles”), implantou-se a TV Digital Pública e Gratuita, criaram-se 48 Leis Trabalhistas, 6 milhões de novos postos de trabalho; salário mínimo vital e móvel (200 pesos em 2003 e 4.716 pesos em 2014); chegou-se a 6,9% de desemprego; 6 milhões de aposentados com o maior salário da América Latina e 2 aumentos anuais; Subsídio universal por filho (a famílias de baixa renda); reconhecimento do trabalho das domésticas; plano habitacional “Procrear”; lei da mídia, etc... Além de tudo, aprofundou laços de união com a América Latina, através da Unasul, Mercosul e Brics. Por isso, mais uma vez o povo reiterou: “As Malvinas são argentinas!” e “Ditadura, nunca mais!”.

H. Iono
Produtora TV Cidade Livre

(*) Hector Magnetto e Ernestina Herrera de Noble, do jornal Clarin, Bartolomé Mitre do La Nación, Augustín Bottinelli, da revista Para Ti, Vicente Massot, da Nova Província, e Carlos Blaquier, dono de Ledesma.

http://youtu.be/uM8xz8SVOqc


{Acessos: 170}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: