Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
As ambições da OTAN para ser a polícia do mundo se enfrentam com a resistência dos povos
12 de abril de 2009 Edições Anteriores
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

A cúpula da OTAN em Bucarest, que reúne os chefes de estado dos 26 países membros da Aliança, expressou as ambições da OTAN de ser a polícia do mundo com grandes resistências dos povos vítimas destas guerras, a elevação de uma frente objetiva antiimperialista entre a China, Russia, os Estados Revolucionários da América Latina e do Oriente Médio e Próximo, e a oposição da população, em vários países europeus como no Canadá e no próprio EUA, contra esta corrida infernal aos armamentos e à guerra.
Não é casual que a Cúpula colocou como objetivo essencial a «obrigação de ter êxito no Afeganistão» .
Desta forma, impor a autoridade do governo de Karzai e das tropas de ocupação da Isaf e dos EUA em
todo o país, e exigir respeito dos seus vizinhos, Irã e Paquistão. Para esse objetivo, decidiram aumentar a
participação dos países membros em soldados aptos aos combates, em material logístico, em aviões capazes
de carregar armas atômicas (os F-16), e estabelecer uma estratégia por muitos anos de presença otaniana
nesta região.
A cúpula da OTAN resolveu também integrar-se ao sistema de escudo anti-mísseis que já está sendo
instalada na Europa, através de acordos entre os EUA e os governos checo e polaco. Estes mesmos acordos
foram firmados solenemente em plena reunião em Bucarest e receberam o aval de todos os países além da
resolução de preparar um sistema anti-mísseis capaz de cobrir todos os países europeus. Da mesma forma, o
Irã foi designado como o «inimigo » contra o qual há que se proteger.
A OTAN busca reafirmar a vontade de muitos governos dos países membros e, em primeiro lugar, a dos
EUA, de passar por cima das Nações Unidas, de conseguir o que se chama «uma aliança das democracias»
com o objetivo de caçar os «extremistas e os terroristas» em qualquer lugar do planeta, de sair na defesa de
qualquer de seus membros, seja fora ou dentro do território; dá maior destaque a assegurar o abastecimento
energético dos seus membros.
Estas são suas tres metas fundamentais. Mostram que, apesar dos fracassos do imperialismo em impor-
se no Iraque como no Afeganistão, não tem outro caminho que seguir na mesma linha: melhor o caos que
a retirada! E também na questão da instalação do sistema anti-mísseis, passam por cima da oposição das
massas que, como na Chequia ou na Polônia, não param de manifestar seu pleno rechaço: assim defendem
as democracias. A «aliança das democracias» se mostra um claro sinônimo de uma aliança de interesses
comuns capitalistas contra os povos do mundo que querem recuperar a soberania sobre seus recursos

minerais e energéticos.
Isso é o que se propõem. Outra coisa é saber se vão conseguir realizar. A firme oposição da Rússia ao
escudo anti-mísseis, à integração da Georgia e Ucrania à OTAN, e ao reconhecimento da cisão do Kossovo,
é um apoio à luta das massas na Europa que não aprovam essa corrida armamentista. Da mesma forma, é
importante a decisão do governo do Irã de não ceder às intimidações tanto dos yanques, da União Européia e
da OTAN. O Irã sente a sua resistência apoiada pelos Estados revolucionários da América Latina, pela Rússia
e pela China.
É preciso recordar que a OTAN participou das manobras navais dos EUA no Caribe desde o ano 2007,
com o pretexto da luta contra a droga e de proteção ao «território holandês» ao redor da costa venezuelana.
Era uma manobra tanto política como militar, contra Cuba, e contra o governo revolucionário da Venezuela
e os novos Estados revolucionários da América Latina. Por isso, é muito importante o atual projeto de
integração militar latino-americano independente dos Estados Unidos para impedir esta pretensão da OTAN
de ser a polícia do mundo.

Comitê de Vigilância contra a Otan na Bélgica

Janeiro de 2008


{Acessos: 126}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: