Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
As eleições de 7 de outubro na Venezuela
23 de setembro de 2012 Politica
Recomende essa matéria pelo WhatsApp
Chávez recebe grande apoio popular

A próxima eleição presidencial na Venezuela tem um peso fundamental não somente na continuidade das conquistas da revolução bolivariana, mas também na afirmação da integração econômico-social dos países da América Latina iniciada na última década e estimulada por novos governos progressistas e populares da região.

A vanguarda revolucionária da frente eleitoral do presidente Hugo Chávez, o “Grande Polo Patriótico”(GPP), a chamada “maquinária” do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), os partidos de esquerda e sindicatos, as missões sociais, têm redobrado toda sua energia na campanha, conscientes da sua responsabilidade histórica junto ao povo venezuelano e frente ao mundo. A grande mídia internacional, a mesma que armou o golpe de estado de abril de 2002, de matriz comum com a Globovision, os jornais “El Nacional” e “El Universal”, sediada em Washington, não somente apoia o opositor conservador e representante das elites, Capriles Radonski (MUD), mas instiga um novo golpe, diante da sua previsível derrota eleitoral, evidenciada pelas estatísticas de fontes confiáveis, não somente governamentais, mas da área privada. A empresa de pesquisa de Hinterlaces, dá como resultado 61% a Chávez e 38% a Capriles, entre os 87% que até o momento afirmam ir a votar. Independentemente das previsões estatísticas, o mais notável é que Chávez é dos raros presidentes capaz de comover y mobilizar multidões de massas pobres sempre: antes e durante a campanha eleitoral.

 

A fracassada tentativa da oposição em tirar proveito da explosão da Refinaria Petrolífera de Amuay

 

Como previsível, a trama golpista, via campanha midiática, se moveu ao redor da tragédia de Amuay, aumentando a suspeita sobre sua natureza acidental. O coração da Venezuela são os 55 mil quilômetros quadrados que compõem a riquíssima faixa petrolífera do Orinoco. A águia imperial norte-americana sobrevoa para reapropriar-se do que perdeu com a PDVSA nacionalizada. Mas, o governo bolivariano, sem cair na provocação de forças denegridoras da eficiência estatal da PDVSA em prol da política de reprivatização de Capriles Radonsky, concentrou sua ação em salvar a população atingida e as famílias das vítimas da Guarda Nacional Bolivariana. 700 famílias de Amuay foram incorporadas às chamadas Missões Filhos da Venezuela (1) e “Amor Maior” (2), e o presidente Chávez decretou a construção imediata de 2.000 casas, como parte da Grande Missão Casas Venezuela (3).

 

A imediata mobilização social em apoio às vítimas da explosão da refinaria – brigadistas, civis, militares e milícias populares, reconstruindo as casas, acudindo feridos, restabelecendo o sistema de água e luz – é indicativa de um nível irreversível de consciência e organização construída nestes 14 anos de revolução. Exemplos a nível da emulação comunista já presenciada em Cuba. São ações que transcendem a simples solidariedade. É o povo mobilizado na defesa do Estado revolucionário venezuelano ameaçado por diferentes flancos da guerra imperialista.

 

As provocações golpistas continuam, como a recente falsa denúncia midiática da oposição sobre um massacre de índios yanomamis no Estado de Amazonas da Venezuela. O Ministério do Poder Popular para Povos Indígenas e a Força Armada Nacional Bolivariana desmentiram, sem antes deixar de comprovar com minuciosa inspeção in loco. A oposição venezuelana se esquece que a Venezuela não é um Paraguai, onde Fernando Lugo não teve tempo histórico para construir uma organização cívico-militar que impedisse o golpe midiático e parlamentar. O PSUV e os partidos de esquerda compõem ampla maioria na Assembleia Nacional.

 

A reeleição de Chávez é fundamental para avançar rumo à integração latino-americana

 

A retomada do nacionalismo revolucionário na América Latina sofreu um substancial impulso com o advento da revolução bolivariana, gestada já no famoso levante de 4 de fevereiro de 1992, e inaugurada em 1998 com a eleição de Chávez. O surgimento dos vários governos progressistas na América Latina na última década, confluindo num processo integracionista com Unasul, Telesul, Banco do Sul, Alba e CELAC, contou com o exemplo e o protagonismo da Venezuela da era Chávez. Portanto, tornou-se estrategicamente urgente ao imperialismo norte-americano impedir a vitória eleitoral de Chávez, que além de conseguir levar a Venezuela no Mercosul, retirar parcialmente Manoel Santos da Colômbia da esfera do domínio de Uribe e da direita conservadora, é o articulador da aliança da América Latina com o Irã, a Síria, a Rússia e a China; sem contar que foi o defensor incondicional da Líbia de Khadafi. Em tempos de precipitosa crise capitalista europeia desaguando em guerra, a vitória de Chávez, defensor de Fernando Lugo e Rafael Correa, não obedece à estratégia de manutenção de bases ianques em território Latino-americano.

A crise da oposição

O vazio programático da oposição se expressa na entrevista dada por Capriles ao jornal Correio Brasiliense no Brasil, na qual caia no vazio de chavões de promessas sociais para ocultar o seu projeto golpista neo-liberal. Se dirigia a um público brasileiro, cegado pelo terrorismo dos grandes meios de comunicação que não fazem outra que inventar a imagem de um “Chávez ditador”, ocultando todos os avanços econômicos e sociais na Venezuela pós-1998. Há dois dia, um deputado da oposição, William Ojeda do UNT (Um Novo Tempo) denunciou publicamente Capriles dizendo que ele tinha um plano secreto em que ocultava um projeto neo-liberal a ser aplicado, se presidente. Ojeda disse: “Não estamos dispostos a aceitar na Venezuela atavismos neo-liberais, nem pretensões de estatismo feroz. Seria uma cegueira não reconhecer que a atual gestão governamental tem feito um enorme esforço na agenda social. Seria sério e responsável reconhecer isso. Programas e execuções sociais que podem ser melhorados e aprofundados. Mas, há que reconhecer o acento social que a gestão do presidente Chávez tem dado às políticas públicas”. Isso lhe custou a sua expulsão do MUD.

As eleições devem assegurar a continuidade das conquistas sociais iniciadas em 1998.

Nos 14 anos da era Chávez, a Venezuela fez uma revolução cultural: eliminou o analfabetismo, criou Editoras e Distribuidoras estatais, uma Fundação da Imprensa Nacional, popularizou a produção e leitura de livros. E criou várias missões de ensino púbico gratuito amplamente conhecidas (Robinson, Ribas e Sucre). Além das missões mencionadas (1), (2) e (3), a classe trabalhadora conquistou uma Nova Lei Orgânica do Trabalho (4) resgatando os direitos da classe trabalhadora, da estabilidade e da família. Nem dizer dos avanços na área da saúde, onde com a ajuda de Cuba, criaram-se postos de saúde pública em várias comunidades, com mais de 10 mil médicos cubanos espalhados na Venezuela, e formou-se a “Misión Milagro”, há mais de 8 anos, com fundos da PDVSA, levando atenção oftalmológica diária e gratuita a 18 estados. Este projeto deu a visão a 1 milhão e 500 mil pacientes.

O benefício na área alimentar, via mercados populares estatais (Mercal, PDVAL, Mercado Bicentenário), proveniente de projetos agro-alimentares, de distribuição da produção da agricultura familiar e da agro-indústria de empresas socialistas, chega não só aos pobres, mas à classe média e pequena-burguesia.   Por isso, até desertores do campo opositor, como este deputado da UNT, devem reconhecer que para alguns setores burgueses, é conveniente a abertura de mercado que o governo bolivariano propicia.

O PSUV e as massas venezuelanas preparam-se para a resistência popular.

Há dois dias a chamada “maquinária” eleitoral do PSUV reuniu-se sob direção de Chávez, com a participação ativa de cerca de 20 mil pessoas no grande ginásio Poliedro de Caracas para balanço e ações organizadas de luta e resistência e para assegurar o processo eleitoral democrático na Venezuela. Há uma estratégia de mobilização frente a qualquer tentativa de sabotagem elétrico, desabastecimento proposital de alimentos, água, serviços, e de ordem pública.

Não há como ignorar o alerta constante que Chávez tem feito aos opositores do progresso social, aos que dominaram a Venezuela por anos antes de 1998, aos conspiradores magnatas do petróleo, altos consumidores de whisky e aplicadores da Bolsa de Nova York, responsável da miséria social, instigadores da violência e do consumo da droga, aos que resistem à distribuição justa das riquezas e à PDVSA nacionalizada, às normativas do banco estatal, ao controle e poder popular, que: “a revolução bolivariana é pacífica, mas não desarmada”. O PSUV é relativamente novo, mas vem se provando e se afirmando; a maioria do exército ganha à causa da soberania nacional, as milícias populares armadas (que chegam aos 800 mil) e várias missões sociais organizadas nos bairros e no campo; são forças em movimento com uma vanguarda que deve aprender do 11 de setembro de 1970, do golpe contra Allende no Chile. Os meios de comunicação sim, são ainda o grande empecilho, dado que 70% estão na área do domínio privado. Mas, mesmo assim, as telas da rede pública e estatal, os jornais da cidadania como “Ciudad Caracas”, o “Correo do Orinoco”, conseguem estampar a verdade dos fatos que são os grandes avanços sociais e econômicos no curso da revolução bolivariana.

Não é impossível prever que, pelo clima político-social nestes vibrantes dias de campanha eleitoral, algo de surpreendente possa ocorrer: se não se respeitarem as urnas que estão por dar a vitória a Chávez, o povo poderá sair às ruas como em abril de 2002 para defender a democracia e a continuidade da revolução.

Jornal Revolução Socialista

15 de setembro de 2012

(1) Missão “Filhos da Venezuela “: Projeto de auxílio às mulheres em condições de extrema pobreza. 400 bolívares por criança (até 3 filhos) e 600 bolívares no caso de criança com deficiência física. Há 204.513 famílias beneficiadas. Acaba-se de destinar cerca de 1 bilhão de bolívares a governos estaduais e prefeituras.

(2) Missão “Amor Maior”: Projeto social do governo que dá uma pensão a anciãos que trabalharam toda a vida, no campo e na cidade, sem comprovação legal. Há 378.750 adultos incorporados nesse projeto.

(3) “Gran Misión Vivienda”: Parecido ao projeto brasileiro Minha Casa, Minha Vida, iniciado no início de 2011 com o objetivo de zerar o problema habitacional até 2018 (3 milhões de moradias). O objetivo é construir 350 mil casas até dezembro (75% já realizadas). Conta-se com a ajuda tecnológica do Irã e do Brasil.

(4) Nova Lei Orgânica do Trabalho. Aprovada em maio de 2012 com relutância do empresariado e da oposição, incluindo entre outras: redução a 40 horas de trabalho semanais, pagamento retroativo de benefícios previdenciários e aumentos salariais não pagos pelas empresas privadas no passado; extensão da licença maternidade a seis semanas antes do parto e 20 semanas no pós parto.


{Acessos: 152}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: