Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Brasil é país homenageado na X FILVEN em Caracas
17 de março de 2014
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

No dia 14 de março inaugurou-se em Caracas, na área que abrange o Teatro Tereza Careño, a Uneartes até a Praça dos Museus, a X Feira Internacional do Livro, que este ano tem como país convidado de honra, o Brasil. A presidenta Christian Valles do CENAL (Centro Nacional do Livro), do Ministério Popular para a Cultura que organiza esta Feira, destacou que ‘‘é a primeira vez que o país convidado é de fala portuguesa’’, o que significa uma audácia de ambos os países para solidificar a cooperação cultural Brasil-Venezuela.

 

Este evento que se repete anualmente, desta vez comporta mais de 400 atividades, 142 expositores nacionais e internacionais, stands vários como a do Ministério da Cultura da Venezuela (Fundação Perro e La Rana, Editora Ayacucho, Monte Ávila, e outras), de instituições governamentais e universitárias diversas, editoras privadas nacionais e internacionais (Argentina, Cuba, Equador, Bolívia, Brasil, Haiti, República Dominicana, Irã, Palestina, China, Bélgica, Espanha e outros), englobando vários temas que vão dos literários, infantis, musicais e culinários, até os da história política nacional e mundial, da economia e da filosofia marxista e revolucionária. Vale notar que já há anos que na Venezuela se publicam em castelhano, alguns livros de Gilberto Freire, Machado de Assis, Graciliano Ramos, Paulo Freire, Jorge Amado e até de José Ignacio Abreu e Lima.

 

O poeta e escritor venezuelano Cesar Chirinos é a grande estrela literária, homenageado de honra deste ano, e tem a palavra em vários encontros e conferências no ambiente da Filven-2014. O Brasil, país homenageado, teve nas palavras do embaixador brasileiro na Venezuela, Ruy Pereira, a síntese da importância desta homenagem ao Brasil. Além dos agradecimentos, destacou que trouxeram uma tonelada de livros desde Brasília e Rio de Janeiro para este encontro cultural Brasil-Venezuela. Saudou o presidente operário Maduro, e trouxe o apoio da presidenta Dilma Rousseff. Recordou que nesse mesmo dia, intervieram no Quartel da Montanha (onde desde o dia 5 de março se realizam Encontros de personalidades e ativistas sociais de todo o mundo, em homenagem ao primeiro aniversário da morte de Hugo Chávez) representantes do Fórum de São Paulo, como Rui Falcão, o presidente nacional do PT, reiterando que estavam todos unidos pela defesa da democracia, pelo povo, pela paz e pela convivência na Venezuela (recebendo forte aplauso do público). Citou as agências brasileiras que atuam na Venezuela, Embrapa, IPEA, Caixa Econômica e o Instituto Cultural Brasil-Venezuela, presentes com publicações no stand-Brasil nesta Filven, país convidado de honra desta X FILVEN. ‘‘A feira é um lugar privilegiado para dar acesso ao livro’’, e destacou que a maioria dos stands brasileiros ressaltam a produção público-estatal dos livros. Chamou a atenção para o papel fundamental que exerce o Estado, o setor público no desenvolvimento cultural, com equidade e solidariedade dos cidadãos. Manifestou o interesse do Brasil de estimular a cooperação cultural e literária entre o Brasil e a Venezuela a partir da plataforma da FILVEN. O sentido da participação do Brasil é resgatar suas raízes autóctones, a literatura indígena, dos povos originários, que transcende nossas fronteiras e nos unem à Venezuela, difundindo o folclore com raízes africanas, trazendo temas para debate como a o livro em braile, a produção literária das mulheres escritoras, e o resgate de Jorge Amado. Recebeu aplausos pelo chamado à união dos povos da América Latina, que impedirá a ingerências nas decisões dos destinos dos nossos países.

 

O Ministro da Cultura Fidel Barbarito, disse que a Filven é expressão de democratização do patrimônio cultural do povo, e do legado do presidente Hugo Chávez que se perpetua. Recordou que ela foi sua inspiração que deu a possibilidade do povo se apaixonar pela leitura, como pela música, pela dança, e pela diversidade cultural. ‘‘Hugo Chávez fez da leitura um elemento libertador, promoveu a erradicação do analfabetismo, permitindo-o discernir a tergiversação da verdade, colocando o povo venezuelano na vanguarda da batalha das ideias’’.

 

Isto tem sido evidente, nestes dias que seguem à abertura da FILVEN. Estamos no domingo, e a Feira está superlotada, com uma maré de pessoas, estudantes, mulheres, intelectuais, trabalhadores em busca dos livros, vendidos a preços populares que variam de 2 bolívares (menos de um bilhete de ônibus), 30, 50 (menos de um lanche), a 300 bolívares. O notável é que é significativa esta busca bem maior a livros de conteúdo político-social e marxista nesta FILVEN. Isto indica uma resposta contundente do povo venezuelano, a todas as provocações fascistas, ao vir massivamente, sem temor algum, tranquilamente (aliás vale destacar que não tem havido nenhuma ação perigosa ou violenta contra o recinto ferial, protegido com atenção solidária pelas Forças de Segurança, Polícia Bolivariana e Guarda Nacional).

 

O vice-presidente, Jorge Arreazza, além de saludar o governo Dilma e o ex-presidente Lula, toda a delegação brasileira, como Anita Prestes que apresentou o livro  “A coluna Prestes“, editores e escritores nacionais e internacionais, dedicou profundas recordações ao amor à leitura de Hugo Chávez. Sendo além de vice-presidente, que sempre lhe foi leal, é esposo da sua filha Rosa Virgínia, e teve oportunidades de ver de perto paixão de Chávez pelo livro. Disse que era uma verdadeira biblioteca ambulante, que levava uma caixa de livros nas suas viagens, e protestava se lhe faltasse um; recomendava, quase ordenava, aos ministros, a leitura de  “A transição ao socialismo‘‘ de José Vicente Rangel.  ‘‘Sublinhava muitas coisas, e anotava comentários’’. Ele queria ver um povo leitor e escritor. Jorge Arreazza recordava que êle editou 1 milhão do livro ‘‘Don Quixote’’ e distribuiu gratuitamente ao povo. Assim foi  também com as ‘‘As veias abertas da América Latina’’ (Eduardo Galeano) e os ‘‘Os miseráveis’’ (Vitor Hugo). Recordou que ‘‘até a Barack Obama lhe presenteou as ‘‘Veias abertas da américa Latina‘‘ com a esperança de que ele pudesse ser um presidente diferente’’.

 

Estas são as primeiras apreciações que podemos fazer para todos aqueles que, por culpa do terrorismo da grande mídia contra o povo e o governo venezuelano, do presidente constitucional Nicolás Maduro, não conhecem a verdade dos fatos. Temos presenciado uma Venezuela repleta de mobilizações diárias de povo na rua, a favor do governo revolucionário e democrático: ontem, em apoio aos soldados da Guarda Nacional Bolivariana agredidos e mortos nos atentados fascistas, numa demonstração de que a união cívico-militar na defesa da soberania popular está firme. Hoje, se manifestam em massa os chamados ‘‘Transportistas pela paz’’, e a ‘‘Missão Alimentação’’ que luta para exercer o controle social do abastecimento estatal (PDVAL, Mercal) contra a sabotagem golpista dos grandes monopólios.

 

 

Aqui estamos presenciando ao vivo com nossa participação na FILVEN, como se está defendendo a revolução, e como o cubano José Martí está vivo: ‘‘Somente um povo culto pode ser plenamente livre’’. Aqui se está distribuindo gratuitamente um suplemento especial com vários escritos, incluindo o chamado ‘‘Livro Azul’’ e o ‘‘Plano da Pátria’’ (2013-2019) de Hugo Chávez, a um ano de sua morte, num claro sinal de que êle está mais vivo e fortalecido do que nunca!

 

Helena Iono

Jornalista participante no stand

Edições Ciência Cultura e Política

 

Caracas, 16 de março de 2014


{Acessos: 148}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: