Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Declaração de apoio ao governo bolivariano e ao povo da Venezuela
06 de dezembro de 2015 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Declaração de apoio ao governo bolivariano
e ao povo da Venezuela

 

Frente as eleições legislativas no 6 de dezembro, declaramos plena solidariedade ao governo bolivariano da Venezuela, aos militantes e dirigentes do Grande Polo Patriótico e do PSUV, aos Comandos Bolívar Chávez, ao povo venezuelano, pelo supremo esforço na continuidade deste processo revolucionário que, desde 1998, passou a ser a luz e a força propulsora central dos novos rumos de soberania e integração socialista dos povos da América Latina.

 

A revolução venezuelana tem sido vítima de constantes ataques internos violentos da oposição, ações contrarrevolucionárias, assassinatos de dirigentes e militantes sociais, sabotagens econômicas e, sobretudo neste período prévio a eleições decisivas como a de 6D, de uma guerra midiática internacional carregada de falsidades promovendo a insegurança quanto ao futuro, não obstante a enorme quantidade de conquistas econômicas de inclusão social, e de participação popular promovidas pela revolução bolivariana. A sabotagem econômica interna, aliada às manobras do imperialismo e à crise capitalista que derrubaram o preço do petróleo a níveis incrivelmente baixos, produz dificuldades quase insuportáveis para as massas, criando obstáculos para o crescimento econômico e o bem-estar.

 

É aí que intervém o terror articulado pelo Império: atribuindo as dificuldades econômicas ao governo bolivariano, tenta quebrar a vontade popular e alentar a classe média a adotar uma postura violenta, subversiva. Tendo fracassado até o momento nas tentativas violentas de desestabilização, agora intervém no processo eleitoral, que por ser o mais limpo e aberto existente na face da terra, permite até mesmo a oposição mais fascista e subserviente ao Império, participar do pleito e conquistar cadeiras no parlamento. Aproveitam-se de um contexto de dificuldades dos governos progressistas, que levaram à derrota do candidato do peronismo na Argentina por um punhado de votos, e a tentativa de golpe em curso no Brasil contra Dilma Rousseff, por meio de um impeachment completamente infundado e de mobilizações reacionárias, a começar pelo terror midiático. Também o governo do Equador enfrenta dificuldades com uma direita subversiva e agressiva. O imperialismo reverbera esta onda reacionária, e intervém pesadamente na Venezuela, promovendo um cerco midiático.

 

Por isso este pleito eleitoral também coloca à dura prova a maturidade política e a paciência do povo humilde venezuelano, preponderantemente chavista, e os seus dirigentes, que têm que encontrar respostas, nestas circunstâncias, à necessidades da imensa maioria do povo e dar continuidade aos projetos de transformação social. É fundamental a solidariedade entre os povos da América Latina para avançar na integração e nas transformações sociais.

 

É hora de um novo despertar dos povos na América Latina, dos movimentos sociais, sindicatos, estudantes e partidos de esquerda no Brasil que começam a levantar-se, a dizer um basta contra as ameaças de golpe e retrocesso nas transformações em curso, como no caso da luta contra o impeachment da presidenta Dilma no Brasil. Nada justifica retrocessos, passividade, desânimo, como se uma “onda de direita” fosse incontível: o problema da esquerda é aprofundar seus projetos, superar o capitalismo, derrotar definitivamente as elites reacionárias e a sua “Internacional” que é a OEA, sob a batuta do Departamento de Estado dos EUA.  Contar com a audácia da resistência da Rússia e dos países aliados como a China, o Irã, que decidiram dar um basta à agressão imperialista à Síria, defendendo com armas o povo e o governo legítimo de Bashar Al Assa, em nome da humanidade.  Porque o que se quer aplicar à Venezuela, ao Brasil e à Argentina são os mesmos métodos de instigação à violência interna até o ponto de não-retorno com a guerra civil e a intervenção imperialista “salvadora”, lembrando que neste momento o porta-aviões George Washington desfila nas proximidades das águas territoriais venezuelanas, na Guiana Francesa.

 

O triunfo da Venezuela é vital para impedir as manobras contrarrevolucionárias na América Latina e manter e avançar no que foi conquistado: Unasul, Celac, Alba, Mercosul, Brics, Telesul e todos os instrumentos de união que são o legado de Hugo Chávez defendidos com força pelo presidente constitucional Nicolás Maduro e pela Revolução Bolivariana.

 

Solidariedade plena, total e irrestrita com o processo revolucionário, na defesa de todas as conquistas e a integridade do governo e povo venezuelano.

 

Jornal Revolução Socialista

5 de dezembro de 2015

 


{Acessos: 204}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: