Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Demissão na TELAM contra a liberdade de expressão para esconder o golpe do FMI
18 de julho de 2018 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Um fato novo gravíssimo na Argentina é a demissão de 357 trabalhadores na TELAM (Agência Nacional de Notícias) ocorrida há 9 dias; mais uma ofensiva de Macri para esconder a verdade dos fatos, calar vozes críticas e, continuar com o desmantelamento do Estado, desta fundamental empresa estatal de comunicação, rumo a interesses empresariais e políticos afins ao governo.

O diretor do Sistema Federal Público de Comunicações, Hernán Lombardi (Cambiemos) demitiu na semana passada, logo após a greve geral na Argentina, 357 dos 878 trabalhadores, o que significa  40% da força produtiva da TELAM, entre jornalistas, fotógrafos, câmeras, editores gráficos e audiovisuais, arquivistas e correspondentes (6 de 27 sucursais do interior fechadas). Um golpe central ao seu motor produtivo.  Rodolfo Pousá, atual diretor da Telam, trabalhou na ditadura, e agora, recolocado por Macri, ordena demissões: “Nosso objetivo é profissionalizar a agência. Houve um núcleo duro que não aderiu a isso e decidiu manter-se com um perfil muito ideológico”. As justificativas oficialistas sobre melhorias de perfis, profissionalismo e combate a ideologias (insinuando o kirchnerismo) e ao pessoal excedente (“gordura militante” como Macri denominou, demitindo milhares de funcionários públicos desde o início do seu governo) não convencem a opinião pública, porque entre os demitidos da Telam, há alguns com mais de 22 anos de serviço, inclusive que votaram Macri ou jamais fizeram greve. O fato é que nunca puderam impedir o clima de organização interna, assembleias que tem exigido a aplicação do contrato coletivo de trabalho. Portanto, a maioria dos demitidos são trabalhadores organizados que não deixam de ter a ideologia pelos direitos trabalhistas. O governo não consegue esconder que o agravante é o fatal acordo com o FMI, que exige cortes brutais em todas as áreas das instituições públicas. Por isso, as demissões vieram acompanhadas do mesmo ramerrão dos  ajustes para cobrir o déficit fiscal. Daniel Segal (Sitrapren) diz: “o que economizam é apenas 250 milhões de pesos, ou seja 4 horas de juros de Lebac (Letras do Tesouro Nacional que servem aos ricos investidores). Não economizam nada. Deixam, sim, o país sem informação, e o mundo sem saber o que está ocorrendo no país.   Mariano Suárez (Sipreba) diz: “Estamos diante de um conflito que não é somente por demissões. Há um disciplinamento porque querem jornalistas submissos”. “O plano econômico do governo necessita que não haja jornalistas que informem e contem a verdade”.

Nesta etapa de desgaste total do governo Macri, produzir o apagão midiático, através do esvaziamento da estatal TELAM, passa a ser uma ordem direta do FMI: obscurecer o protesto popular contra a avalancha dos cortes. Mas, os trabalhadores resistem, mantendo uma ocupação pacífica da Telam, comparecendo ao local e mantendo os turnos noturnos. Há três dias, os sindicatos Sipreba (Sindicato de Imprensa de Buenos Aires) e Sitrapren (Sindicato dos Trabalhadores de Imprensa), reunidos com os trabalhadores demitidos, concederam uma Coletiva de Imprensa à mídia nacional e internacional. Informaram entre outras que 14 legisladores apresentaram um projeto de lei para transformar a TELAM numa empresa jornalística pública com controle parlamentar. E para hoje, convocaram uma manifestação de toda a categoria jornalística que está sendo massiva, cera de 5 mil, desde o Obelisco na avenida Nove de Julho à sede do Sistema Federal Público de Comunicações no CCK (Centro Cultural Kirchner) para exigir a reincorporação de todos os trabalhadores; muitos deles amordaçados como sinal de protesto, junto aos sindicatos de jornalismo levantam o chamado por uma “Refundação da agência Telam pelos seus próprios trabalhadores”! Leia informe de Página12

A solidariedade mobilizada das Centrais Sindicais, CGT, duas CTAs, Ctera, Suteba e professores, Mães da Praça de Maio tem sido imediata desde o primeiro dia. Todas as organizações populares se sentem golpeadas na sua liberdade de expressão e informação. Agitam-se vários lemas: “Sem liberdade de imprensa, não há liberdade de expressão e sem liberdade de expressão não há democracia!”. “A informação não é uma mercadoria, é um direito! Somam-se ao esvaziamento da Telam, as 42 demissões na Rádio Del Plata (Popular e opositora), e outras ameaças aos canais de comunicação públicos ou privados, que não se submetem ao poder hegemônico do grupo midiático de Magnetto (Clarin). É notória a perseguição ao canal privado C5N, de linha opositora, do grupo empresarial Indalo, cujos proprietários, Cristóbal López e Fabian de Sousa, estão presos e pressionados a vendê-lo a uma empresa pró-Macri. O canal C5N, que foi constringido pelo governo a demitir os renomados jornalistas populares Roberto Navarro (veja) e Victor Hugo Morales (leia) continua resistindo, com programações de maior audiência no país, expondo a realidade catastrófica do país atual e o debate crítico, com seus trabalhadores pagos precariamente com salários a quotas.

Desde o início do governo de “Cambiemos (PRO)”, com o decreto que pôs fim à “Lei dos meios de comunicação”( Ley de Medios), o golpe à liberdade de expressão ascendeu brutalmente com a exclusão dos programas da TV Pública (678, Paka-Paka para crianças, e Futebol para Todos), da Telesul aberta, até chegar ao terrível esvaziamento da Telam. Aliás, não excluem um novo esvaziamento da própria TV Pública.

Há 2 anos e meio, escrevemos sobre o início do ataque a todo o processo de restrições a direitos democráticos que prepararam o terreno para os ajustes e a destruição econômica. O primeiro golpe foi o midiático, contra a “Ley de Medios” (que regulava o poder das empresas privadas de comunicação) criado por Cristina Kirchner em 2009, substituindo a Lei de Radiodifusão de 1980 da ditadura militar. Em seguida, Macri interviu contra a AFSCA (Autoridade Fiscal de Serviços de Comunicação e Audiovisual) que controlava a aplicação da “Ley de Medios”, pondo em marcha um projeto comunicacional de inclusão, que abarca cooperativas juvenis e meios comunitários. Tudo isso acabou. Fica uma sugestão de leitura retrospectiva para ver como se foi reestruturando o poder hegemônico midiático neste governo Macri, e refletir como a mídia pública e alternativa são essenciais para qualquer projeto de soberania nacional. Leia 

Pela solidariedade dos jornalistas e trabalhadores da comunicação no Brasil aos colegas da TELAM e aos 5.000 despedidos na Argentina!

 

Jornal Revolução Socialista
05/07/2018




 

 

 

 


Palavras-chave: TELAM;Agencia Nacional de Notícias;Argentina

{Acessos: 96}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Apoio incondicional à candidatura Haddad-Manuela e à coligação!
Pela composição mais ampla com todas as forças de esquerda, progressistas, nacionalistas e democráticas e dissidentes do regime ditatorial neoliberal e fascista! É preciso contar com as divergências do inimigo. É preciso emplacar Haddad no primeiro turno.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: