Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Dilma: Romper o isolamento midiático, chamar o povo à luta!
19 de julho de 2015 Editorial
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

CHAMAR O POVO À LUTA PARA REPUDIAR O GOLPE EM PREPARAÇÃO!

ROMPER O ISOLAMENTO MIDIÁTICO, COMUNICAR-SE COM O POVO BRASILEIRO!

 

Companheira Presidenta Dilma Rousseff:

A guerra midiática e os constantes ataques contra as medidas populares do seu Governo e o projeto social do Partido dos Trabalhadores visam debilitar seu governo por meio da calúnia e do descrédito entre a população, para conduzir ao impeachment e ao golpe pelos que nunca se conformaram com a enorme derrota eleitoral que sofreram.

Está ficando cada vez mais claro que importantes setores do aparato Justiça também conspiram e maquinam para encontrar algum modo de impugnar o seu mandato. Em ações supostamente imparciais e com o pretexto de combater a corrupção, transformaram a operação Lava Jato numa operação político-mediática gigantesca, visando unicamente desmoralizar o Partido dos Trabalhadores, o seu governo e o Presidente.

Essa campanha midiática é a mesma que é aplicada contra todos os governos populares da América Latina e do Mundo, que ousaram conduzir políticas nacionais independentes e integracionistas, visam desestabilizar e enfraquecer a qualquer custo governos notoriamente populares e nacionalistas.  Inclusive ao custo de incitar o ódio entre brasileiros, entre as classes sociais, estimulando o linchamento e o conflito, sabotando a economia, acabando com os programas sociais e as conquistas dos últimos 12 anos.

A única linha de defesa possível para o seu Governo, o nosso governo, é comunicar-se com os milhões de brasileiros que foram beneficiados por todos os programas na área social, da educação, do trabalho, da cidadania, que neste momento estão reféns da má informação, da campanha histérica, dos ataques sem resposta.

O seu Governo, do ponto de vista midiático, está impotente, não age, não se defende. Os radicais da desestabilização promovem até mesmo os panelaços contra os seus pronunciamentos em Cadeia Nacional, tornados gigantes pela repercussão dada pela mídia golpista, que os amplifica e conclama. A sua mensagem não chega aos pobres, às famílias, aos brasileiros, e quando chega, chega distorcida.

Apesar dos avanços tecnológicos e da difusão da Internet, hoje 95 por cento das informações que o povo recebe são pela televisão aberta, sendo, portanto, esse veículo o mais poderoso, que chega diretamente nas casas das pessoas, junto com pacotes de baixarias, mentiras e más informações, sem defesa alguma por parte do governo. 

Nenhuma medida foi tomada nos nossos governos para regulamentar os artigos das Constituição, para dar pleno cumprimento a seus artigos de 220 a 224. A mídia privada monopolística continua sendo alimentada pela publicidade oficial, bilhões de reais saem anualmente dos cofres do País para alimentar uma imprensa que tem-se revelado parcial, reacionária e golpista.

É assim que funciona a imprensa, foi assim que derrubaram Vargas, dizendo que seu governo estava mergulhado num “mar de lama”. É urgente de que as opiniões das massas sejam ouvidas, as pesquisas indicam ainda uma enorme popularidade do Presidente Lula e das conquistas destes 12 anos entre as camadas mais pobres ou que recém saíram da pobreza, mas elas não tem voz. Os movimentos populares, o MST,  a igreja popular, os Sem Teto, os sindicatos, as Margaridas, os trabalhadores e a juventude que saíram às ruas para exigir o combate a corrupção, continuam fora dos grandes meios de comunicação, numa verdadeira ditadura de apagamento e desinformação.  Só se dá destaque às elites cheias de joias que desfilam o seu ódio contra o governo popular.

Querida Presidenta, essa carta tem por objetivo único, a conscientização de que precisamos superar o inimigo na guerra de informações, que possui seu volumoso aparato organizado, estruturado, em séculos de conservadorismo,  enfraquecendo a cultura popular, a sua organização, estimulando o consumismo, o individualismo, utilizando o sensacionalismo policial como instrumento de embrutecimento, daí a crescente onda de linchamentos e violência. Sangue, violência e sexo jorram das telas, em programas nacionais e enlatados estrangeiros importados, chegando aos lares de milhões de brasileiros. Se se soma às campanhas de descrédito ao governo, a informação deturpada e antipopular, estão dadas as condições para o fascismo, que do fascismo mediático pode passar ao fascismo de massas.

O PT está perdendo a batalha das ideias, recuado, assustado com esta virulência. Não há um Jornal popular de alcance nacional, com linguagem simples e construtiva sobre os temas do qual há um total desconhecimento das massas brasileiras, que precisam se politizar, se posicionar e agir e se organizando  para que se tornem cabeças pensantes e militantes deste governo popular.

O seu Governo ainda tem armas poderosas, e deve usá-las! Não tivesse o governo Venezuelano a Telesur, todo um sistema popular de comunicação, rádios comunitárias aos milhares, promovidas pelo falecido presidente Hugo Chávez como prova de sua vocação democrática, este governo de Nicolás Maduro já teria sido derrubado pela conspiração golpista venezuelana e imperialista. Igualmente Cristina Kirchner, Rafael Correa e Evo Morález, que tiveram a coragem de revogar as leis que beneficiavam os monopólios privados, rever as concessões, e apoiar as mídias populares. O povo para ter vez, precisa ter voz!

Presidenta, não dê ouvidos àqueles que afirmam que o seu Governo restringe a “liberdade de imprensa”: ela hoje só existe para as elites!! O povo não tem imprensa, não tem tevê, está refém da baixaria e da mentira! É hora de reagir, usar todos os meios, a publicidade oficial para reforçar as TVs e Rádios comunitárias, esvaziando os jornalões e canais de TV das famílias reacionárias e criando meios populares de divulgação, debate e comunicação. Apareça mais na TV Brasil, na NBR, fale em cadeia nacional pela televisão e rádio para defender o projeto de governo e de nação, informar o significado de acordos com a China, da participação no BRICs, CELAC, Mercosul e a unidade latino-americana..

Mas uma coisa seu Governo precisa fazer: rompa com a política neoliberal que está conduzindo à paralização da economia, ao sufoco dos juros, que só aos banqueiros beneficia, e rompa com a política de demolição dos direitos sociais promovida pelo atual Congresso Nacional e pelas elites! O povo sem emprego, com inflação, com as dificuldades derivadas da “austeridade” capitalista vai ter dificuldade em apoiá-la e vai ficar refém das campanhas reacionárias que anunciam o caos e o fim do mundo, para apresentarem-se eles como “salvadores da Pátria”.

É hora que Presidenta saia em campo a defender a Petrobrás, ameaçada pelo projeto de lei de José Serra no Senado, a mando dos interesses estrangeiros! Os petroleiros farão uma greve geral de 24 horas em defesa da empresa, é hora que a Sra. Presidenta assuma a cabeça deste movimento: nenhum retrocesso no Pré-Sal! Dinheiro para a educação e a saúde! É hora de convocar o povo bom, trabalhador, para ir às ruas; Presidenta, não fique refém da mídia, isolada no Palácio, saia às ruas, como fez agora vindo a Santa Catarina, para abraçar o povo que lhe elegeu e que lhe pertence!

OS GOLPISTAS NÃO PASSARÃO!

Comitê local do jornal Revolução Socialista

http://revolucaosocialista.com/

Laguna 15 de Julho de 2015


{Acessos: 159}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: