Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Em defesa de Lula e Dilma e as falsas denúncias da Revista Época
08 de maio de 2015 Editorial
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

O permanente ataque midiático, culminado agora com a falsa denúncia da Revista Época, indica a intenção de parte da elite brasileira e internacional de destruir o Partido dos Trabalhadores. O objetivo dos donos do poder é destruir o Lula e a Dilma. Não se conformam com o resultado das eleições. Não aceitam a democracia. Não aceitam que se façam programas sociais em favor do povo. Não lhes basta terem ganho muito dinheiro na época do governo Lula, querem mais e mais. Como são financiados por interesses internacionais, se tornam os representantes daqueles que querem o pré-sal, o controle do orçamento da União e que criam condições econômicas adversas para impor o aumento da taxa de juros da SELIC.


O grande erro do PT não foi ter criado a Controladoria Geral da União, ter fortalecido o Conselho de Controle de Atividades Financeiras – COAF, o Departamento de Recuperação de Ativos do Ministério da Justiça – DRCI/MJ, fortalecido o TCU e a Polícia Federal, e realizado a recomposição das perdas salariais destas categorias. O grande erro foi não ter colocado para fora da Petrobras todos os indicados pelo Governo FHC e que foram os grandes agentes da corrupção na empresa. Todos os funcionários que se utilizam da lei da delação premiada são oriundos da época de governos anteriores. Youssef nem poderia se utilizar da delação premiada pois foi utilizada a palavra de alguém que confessadamente praticou crimes e em 2004 obteve um beneficio da justiça e voltou a delinquir. Ele quebrou a delação em 2006 e essa quebra da palavra não foi levada ao ministro Teori Zavaski na chancela da nova delação em 2014. Por quê isto não foi visto no processo da Lava Jato?
Que os petistas e os dirigentes do PT não tenham dúvida que a elite não descansará na tentativa de condenar o Lula e a Dilma. É importante fazer o cálculo de que não basta não termos cometido nenhum crime. É isto mesmo. A nossa defesa não pode se basear apenas na nossa impunidade pois não está havendo justiça por parte do judiciário. O jornalista Raimundo Pereira da Editora Retratos do Brasil, depois de 2 anos de pesquisa, provou que o chamado Mensalão foi uma farsa. A acusação de que houve desvio dos recursos do Banco do Brasil foi uma acusação falsa pois todos os recibos foram apresentados e desconsiderados pelo Ministro Joaquim Barbosa. Entretanto, José Dirceu, Delúbio, João Paulo e Genuíno foram condenados e presos.


Raimundo Pereira caracteriza o Mensalão como um julgamento medieval. Giordano Bruno em 1600 foi queimado na fogueira porque dizia verdades sobre o funcionamento do universo. Dizia que a terra não era o centro do universo e explicou várias leis da física. Por conta disto foi chamado de bruxo e de realizar magia negra. Seu processo começou com a falsa denúncia de um aristocrata que queria que ele lhe ensinasse magia negra. Como se recusou e disse que sua ciência era a ciência da natureza, foi condenado a morte. Os falsos processos de Moscou criados pelo Stalinismo, condenaram a morte os mais legítimos bolcheviques que deram suas vidas pela Revolução Russa.


A história está repleta de processos falsos e o PT precisa levar isto em conta para se proteger. Foi correto a tática de realizar coligações para ir ao poder e ainda é correto fazer alianças. A falha foi confiar demais nesta coligação e não desenvolver mecanismos de mobilização social. A derrubada do Decreto presidencial de Participação Social nas Empresas Públicas pelo Câmara dos Deputados é uma demonstração de como setores do Congresso Nacional não têm nenhum interesse em acabar com a corrupção. Os setores que estão combatendo a Dilma, pedindo o seu impeachment são os mesmos setores que não querem acabar com a corrupção. Esta é a pura verdade.


Não se deve brincar com a mídia. O PT está sendo destruído. Não se trata das eleições passadas quando também convivemos com a mídia contra o PT e fomos vitoriosos. Agora, a situação é outra. O mundo é outro. Agora existe o pré-sal em jogo. Agora existe a imposição dos donos do poder financeiro para recomposição da dívida pública com suas instituições financeiras. Dilma está tendo que elevar a taxa Selic que só beneficia este setor e não beneficia em nada o desenvolvimento da economia.


Do ponto de vista político, tomemos o exemplo da Ucrânia. Houve um golpe de estado na Ucrânia e estão destruindo o país. O imperialismo anglo-americano impôs uma guerra contra a Síria, provocando um grande êxodo, impondo uma degradação da vida a milhares de pessoas. A migração dos povos da África para a Europa Ocidental é fruto do colonialismo imposto por séculos aqueles povos. E a solução proposta foi o bombardeio dos barcos que realizam esta travessia. A sociedade norte-americana apresenta os maiores índices de degradação das relações humanos com um grande número de presos e uma sociedade em que impera o racismo contra os negros e pobres como temos visto em Baltimore. Palestinos vivem com acampamentos em condições sub-humanas. As guerras no Iraque e na Líbia só trouxeram destruição e morte. Hoje são países que retrocederam século na sua organização social.


Não temos preconceitos de fazer comércio com qualquer país do mundo desde que defendamos os interesses do povo brasileiro e nem explore outros povos. Mas entendemos que temos que fortalecer os nossos laços com os países do BRICS. A Rússia sofre agora o bloqueio comercial imposto pelos EUA e a União Europeia. Por quê? Porque não se submete aos ditames do imperialismo e participa de um projeto de desenvolvimento importante em torno da Eurásia. Se posiciona a favor da Síria e recentemente furou o bloqueio econômico imposto ao Irã. As relações da Rússia com a China lhe permite acordos políticos e comerciais com duração de 30 anos. Para o lado de cá, precisamos reafirmar a necessidade de fortalecermos o Mercosul, a Celac, a Unasur. Defesa política do Venezuela e de Cuba e acordo comerciais para fortalecer estes países.


Fortalecer os laços com países que possibilitam uma troca comercial equilibrada e vantajosa para ambos os membros, a exemplo da Argentina e a Rússia. O mundo atual privilegia a criação de alianças entre países emergentes. Os mais de 20 documentos subscritos pela presidenta da Argentina e Vladimir Putin recentemente mostra o caminho que precisa ser percorrido para sair desta armadilha midiática que foi colocado o Governo Dilma. O comércio entre a Rússia e Argentina aumentou de 260 milhões de dólares para 2,45 bilhões entre os anos de 2001 e 2013, um aumento exorbitante de mais de 940%. Que se possa privilegiar o comércio com as moedas locais que possibilita a desdolarização nas relações comerciais. Argentina e Rússia firmaram acordos na área nuclear por se tratar de uma energia limpa, mais barata e livre das manipulações dos preços do petróleo.
O que está em jogo nesta luta política é o futuro do país. A elite para defender seus interesses é capaz de tudo, inclusive como tem feito, financiar grupos como o movimento Vem Pra Rua e principalmente, a mídia golpista. É bom relembrarmos que a Globo nasceu financiada pelo capital estrangeiro que apoiou e participou do golpe militar de 1964 no Brasil. É um TV que não tem compromisso nenhum com a soberania nacional. Ao contrário, joga contra a cultura, a ética, a moral, contra o interesses do povo brasileiro. A revista Época ao publicar a farsa contra o Lula em relação aos países emergentes, faz o papel de um partido de direita que quer destruir o que tem de melhor no governo Lula. Por quê querem questionar o BNDES? Porque é um instrumento de integração entre países em desenvolvimento. O financiamento do Porto de Mariel em Cuba deveria ser tomado como exemplo para a integração latino-americana. Um país que sofre um boqueio por mais de 50 anos, teve a oportunidade de contar com a engenharia da Construtora Odebrecht e o financiamento do BNDES. Isto significa furar o nojento bloqueio, desenvolver o comércio na região com a integração de vários mercados e trazer desenvolvimento para Cuba. Isto é que é progresso. Realizamos ação de desenvolvimento e não de guerra e destruição como tem acontecido em várias partes do mundo.


A reportagem da Revista Época é contra o povo brasileiro. O Ministério Público desmentiu, poucos dias depois, os fatos apresentados pela Revista Época. A Revista acusa a construtora Odebrecht de ganhar contratos na América Latina e na África com dinheiro do BNDES. Omite que todos estes contratos seguem os padrões internacionais de financiamento e que o BNDES é um dos bancos com um corpo técnico competente e é um dos bancos de desenvolvimento mais lucrativos do mundo. A Revista Época desrespeita a soberania nacional. Deve ser condenados pela sociedade brasileira. Não podemos mais permitir uma ação desta natureza. Por isto que o PT não precisa ter ilusão de que processos desta natureza tenham um curso natural. Não é assim que funciona como não funcionou em relação ao Mensalão. Precisamos passar para a fase de organizar o povo, explicar o que está acontecendo, mobilizações em defesa da verdade; denunciar os crimes cometidos pela mídia. A participação do Lula nas manifestações do 1º de Maio junto a CUT vai construindo o único caminho para resistir e se contrapor ao ataque contra a classe trabalhadora. Da mesma forma, sua clara defesa do PT no horário da propaganda partidária do dia 5, decidido a enfrentar os panelaços reacionários e vazios de consciência, para impulsionar a capacidade dos trabalhadores de organizar o partido e o sindicato, apoiando o governo contra os ataques golpistas, mas mantendo sua independência de classe. É importante apoiar a decisão de Lula buscar ações conjuntas com o MST e os movimentos sociais, a aliança operário-camponesa. Os panelaços aumentam na medida em que o PT se intimide, recue, ou deixe de ocupar todos os espaços da mídia pública e conquistar novos e próprios: TVs, rádios, jornais, além das redes sociais e internet.

Cada vez que a Presidente Dilma ceder no campo econômico e social mais a elite vai lhe exigir sacrificar os direitos populares para atender os interesses imperiais. Respeitando os limites impostos ao cargo de Presidenta da República, entendemos que ela precisa adotar uma postura mais política. Está na hora de colocar os pingos nos “is”. Recompor a coalizão política em outros patamares. Alianças sim, mas como sindicato e partido, manter a independência programática e de classe. Se o Renan está defendendo os direitos da CLT, precisamos chamá-los para sentar ao nosso lado e ir mais longe. Manter uma agenda permanente com os movimentos sociais para discutir o ajuste fiscal, os projetos de investimentos do PAC. Não é bom propor mais concessões para exploração de aeroportos, portos, rodovias, ferrovias sem discutir com o próprio PT. Qual é o projeto que temos para o país? Qual é o caminho para a retomada do crescimento? A Presidente Dilma precisa se conscientizar de que a situação política é séria e que uma estabilização passa pelos movimentos sociais e pelo partido que ela pertence. A denúncia da Revista Época é uma demonstração do quanto a elite está disposta a destruir o Lula e a própria Presidenta Dilma. Não podemos brincar com a mídia. Ela se constituiu num partido poderoso e defende interesses imperiais antinacionais.


Como fez a Presidenta Cristina Kirchner da Argentina em parceria com a Rússia, precisamos pautar a conjuntura e não se deixar pautar. A Presidenta Cristina saiu da crise artificial imposta ao país, buscando a concretização de parceiros em torno de projetos de desenvolvimento e uma regulamentação de mídia. Chega de se submeter a esta mídia fascista e retrógrada. A Petrobras está superando a crise criada por nossos adversários com transparência e mostrou que tem folego para continuar sua trajetória de crescimento, como a capitação recente de 30 bilhões de dólares na forma de empréstimo.
A Presidenta Dilma tem adotado uma postura de tomar decisões com base nas suas características pessoais que não cabe na conjuntura política atual. A situação é grave e é preciso resgatar as melhores tradições populares. Fazer coligação com as bases do governo mas fincar o pé nos movimentos sociais e no seu próprio partido para tomar as decisões sobre os rumos do país. Com todos os problemas que o PT possa apresentar, ele detêm um patrimônio político importante que precisa ser prestigiado em detrimento dos burocratas que neste momento buscam apenas defender seus postos.


Ao PT cabe a tarefa de enfrentar o debate com sociedade para restabelecer sua credibilidade e a verdade. Não pode cometer o erro de não ter feito o debate sobre o Mensalão e nem pode se omitir sobre os verdadeiros culpados em relação a operação lava jato na Petrobras. Como fazer isto, com a mídia contra? Eis a questão que o PT precisa resolver de uma vez por todas para enfrentar esta conjuntura. Criticamos a mídia mas não fazem um jornal popular para disputar da hegemonia política e as ideias junto a sociedade. Estamos a um passo atrás dos nossos inimigos de classe pois nem conseguimos chegar ao povo os fatos verdadeiros. Não basta haver tirado 40 milhões da miséria. É preciso disputar a formação política, a opinião destes milhões de pessoas. É preciso disputar a hegemonia política da sociedade e não deixar esta tarefa para a Rede Globo e os canais de comunicação da elite. Nem estamos fazendo chegar a grande massa a verdade sobre os fatos e muito menos estamos fazendo uma disputa política ideológica. Esta é uma tarefa de um partido que não se preocupa apenas em eleger deputados e governadores, e distribuir emendas parlamentares, e sim um partido que se propõe a uma profunda transformação social do país. Lula diz que é bom de briga. Nós também somos bons de briga e juntos vamos enfrentar mais esta conjuntura difícil. Afinal de conta historicamente nada foi fácil para a classe trabalhadora.


Eduardo Dumont
Do Conselho Editorial
Jornal Revolução Socialista
5/5/2015
 


{Acessos: 164}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: