Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Entrevista de Dilma Rousseff à Rede Brasil Atual
13 de julho de 2016 Notícias
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/243295/Dilma-%E2%80%9CEsse-governo-n%C3%A3o-est%C3%A1-olhando-para-a-popula%C3%A7%C3%A3o-mais-pobre%E2%80%9D.htm

Leia esta importante entrevista de Dilma Rousseff realizada por Hylda Cavalcanti, Marilu Cabañas e Paulo Donizetti de Souza, da REDE BRASIL ATUAL

Em entrevista à Rede Brasil Atual, a presidente critica o governo "interino e ilegítimo" de Michel Temer e a PEC de Henrique Meirelles que limita os gastos públicos com saúde e educação; "Quando atinge a educação, ele [governo] não está olhando para ninguém no Brasil", afirmou; "Todas as pessoas que demandarem educação e saúde, crianças, jovens e adultos que querem estudar, querem ser atendidas no sistema de saúde, vão ser prejudicadas. Vai aumentar o número de pessoas que precisam de atendimento nesses setores", prevê; presidente não confirmou se pretende ir à abertura da Olimpíada, para a qual foi convidada nesta segunda-feira, se diz confiante em derrotar o impeachment no Senado e revelou disposição de escrever um livro sobre o momento em que vive; leia e ouça a íntegra

Naquele 6 de julho em que o advogado José Eduardo Cardozo leria o documento para a comissão do impeachment no Senado não houve pedaladas. "Hoje não deu", diz a presidenta afastada Dilma Rousseff, que anda de bicicleta por cerca de uma hora "quase" todas as manhãs. "Ficamos até mais de duas da manhã escrevendo aquele trem", disse, suportando o cansaço com energia e um tanto de humor.

O dia em que a reportagem foi recebida, no Palácio da Alvorada, foi de muita movimentação no ambiente político. Na hora do almoço, longa conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ouvir "sempre informações importantes". Em meio a uma sucessão de reuniões, Dilma se deu uma pausa para a entrevista, que durou pouco mais de uma hora.

Desligados os gravadores, conversou informalmente por mais meia hora – "Preciso ir para mais uma reunião, mas não estou com vontade..." –, desmentindo com descontração, piadas e comentários impublicáveis sobre sua fama de "má". Naquele momento, não muito longe dali, Temer sofria um revés no Congresso, quando a Câmara rejeitou o regime de urgência para seu pacote de bondades negociado com governadores, orçado em R$ 50 bilhões. A derrota comprovou a tese da presidenta de que a governabilidade não está fácil para ninguém, nem para o "interino, provisório e ilegítimo".

No dia seguinte, ela se encontra com dirigentes de PT, PCdoB e PDT para mapear os próximos passos da reação, enquanto o deputado suspenso Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renuncia à presidência da Câmara com vistas a preservar seu mandato e seu poder na Casa. "Cada vez que se dá mais um passo no sentido de afastá-lo melhora o ambiente, cria uma perspectiva favorável ao país", acredita.

Na ainda controversa proposta de consulta popular sobre antecipação de eleições, Dilma não explicita sua posição pessoal, mas deixa nas entrelinhas que a convocação de um plebiscito, sobre eleições presidenciais ou eleições gerais, não precisa ser condição prévia para que os senadores barrem o impeachment.

Para ela, o principal consenso alcançado já será o suficiente: "Restabelecer a democracia, fazer o Brasil voltar a crescer e conter as ameaças a direitos, tanto as efetivas como as virtuais, aquelas que ainda vão ocorrer". E não haverá solução para a crise política sem a participação da sociedade e sem a abertura de um debate sobre reforma política.

Sobre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que teria sido cogitado para sua equipe, ela não desconversa. Observa que é pessoa qualificada, mas que depende de para qual projeto trabalha. No governo Lula, de 2003 a 2010, foi bem e ajudou. No governo do "interino, provisório e ilegítimo", vai mal. "E em meu governo ele nunca esteve."

A presidenta considera grave a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que restringe gastos com saúde e educação "não por um ano, mas por 20 anos" – praticamente o tempo que durou a ditadura imposta pelo golpe anterior, o de 1964. "O que se gastou ainda não é suficiente para o Brasil ser um país que tenha um padrão internacional equivalente a países do nosso nível médio de renda", afirma.


Para ela, a tese é trágica e burra. "Ninguém vai me convencer que uma sociedade que exclua as pessoas, que condene as pessoas à miséria, que transforme certas questões básicas da civilização, como o acesso à educação, é uma sociedade em que as pessoas queiram criar seus filhos. Não acredito."


Apesar das dificuldades, garante estar confiante. Está previsto para entre 22 e 26 de agosto – na média, como ela mesma observa, em 24 de agosto, dia do suicídio de Getúlio Vargas – o julgamento final do processo no Senado. Desta vez, afirma, a democracia irá renascer.

Leia entrevista completa:

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/243295/Dilma-%E2%80%9CEsse-governo-n%C3%A3o-est%C3%A1-olhando-para-a-popula%C3%A7%C3%A3o-mais-pobre%E2%80%9D.htm

 

 


{Acessos: 56}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Dia 24 em Porto Alegre: Duvidosa a reação do Judiciário, mas certeiro e irreversível o salto organizativo e político do movimento de massas
Qualquer que seja o resultado do julgamento de Lula pelo TRF 4 em Porto Alegre no dia 24 de Janeiro, o fracasso político do ataque jurídico-midiático jorra por todos os lados, diante da enorme mobilização de massas a nivel nacional e a reação de importantes forças políticas a nível internacional.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: