Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Entrevista de Dilma Rousseff à Rede Brasil Atual
13 de julho de 2016 Notícias
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/243295/Dilma-%E2%80%9CEsse-governo-n%C3%A3o-est%C3%A1-olhando-para-a-popula%C3%A7%C3%A3o-mais-pobre%E2%80%9D.htm

Leia esta importante entrevista de Dilma Rousseff realizada por Hylda Cavalcanti, Marilu Cabañas e Paulo Donizetti de Souza, da REDE BRASIL ATUAL

Em entrevista à Rede Brasil Atual, a presidente critica o governo "interino e ilegítimo" de Michel Temer e a PEC de Henrique Meirelles que limita os gastos públicos com saúde e educação; "Quando atinge a educação, ele [governo] não está olhando para ninguém no Brasil", afirmou; "Todas as pessoas que demandarem educação e saúde, crianças, jovens e adultos que querem estudar, querem ser atendidas no sistema de saúde, vão ser prejudicadas. Vai aumentar o número de pessoas que precisam de atendimento nesses setores", prevê; presidente não confirmou se pretende ir à abertura da Olimpíada, para a qual foi convidada nesta segunda-feira, se diz confiante em derrotar o impeachment no Senado e revelou disposição de escrever um livro sobre o momento em que vive; leia e ouça a íntegra

Naquele 6 de julho em que o advogado José Eduardo Cardozo leria o documento para a comissão do impeachment no Senado não houve pedaladas. "Hoje não deu", diz a presidenta afastada Dilma Rousseff, que anda de bicicleta por cerca de uma hora "quase" todas as manhãs. "Ficamos até mais de duas da manhã escrevendo aquele trem", disse, suportando o cansaço com energia e um tanto de humor.

O dia em que a reportagem foi recebida, no Palácio da Alvorada, foi de muita movimentação no ambiente político. Na hora do almoço, longa conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ouvir "sempre informações importantes". Em meio a uma sucessão de reuniões, Dilma se deu uma pausa para a entrevista, que durou pouco mais de uma hora.

Desligados os gravadores, conversou informalmente por mais meia hora – "Preciso ir para mais uma reunião, mas não estou com vontade..." –, desmentindo com descontração, piadas e comentários impublicáveis sobre sua fama de "má". Naquele momento, não muito longe dali, Temer sofria um revés no Congresso, quando a Câmara rejeitou o regime de urgência para seu pacote de bondades negociado com governadores, orçado em R$ 50 bilhões. A derrota comprovou a tese da presidenta de que a governabilidade não está fácil para ninguém, nem para o "interino, provisório e ilegítimo".

No dia seguinte, ela se encontra com dirigentes de PT, PCdoB e PDT para mapear os próximos passos da reação, enquanto o deputado suspenso Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renuncia à presidência da Câmara com vistas a preservar seu mandato e seu poder na Casa. "Cada vez que se dá mais um passo no sentido de afastá-lo melhora o ambiente, cria uma perspectiva favorável ao país", acredita.

Na ainda controversa proposta de consulta popular sobre antecipação de eleições, Dilma não explicita sua posição pessoal, mas deixa nas entrelinhas que a convocação de um plebiscito, sobre eleições presidenciais ou eleições gerais, não precisa ser condição prévia para que os senadores barrem o impeachment.

Para ela, o principal consenso alcançado já será o suficiente: "Restabelecer a democracia, fazer o Brasil voltar a crescer e conter as ameaças a direitos, tanto as efetivas como as virtuais, aquelas que ainda vão ocorrer". E não haverá solução para a crise política sem a participação da sociedade e sem a abertura de um debate sobre reforma política.

Sobre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que teria sido cogitado para sua equipe, ela não desconversa. Observa que é pessoa qualificada, mas que depende de para qual projeto trabalha. No governo Lula, de 2003 a 2010, foi bem e ajudou. No governo do "interino, provisório e ilegítimo", vai mal. "E em meu governo ele nunca esteve."

A presidenta considera grave a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que restringe gastos com saúde e educação "não por um ano, mas por 20 anos" – praticamente o tempo que durou a ditadura imposta pelo golpe anterior, o de 1964. "O que se gastou ainda não é suficiente para o Brasil ser um país que tenha um padrão internacional equivalente a países do nosso nível médio de renda", afirma.


Para ela, a tese é trágica e burra. "Ninguém vai me convencer que uma sociedade que exclua as pessoas, que condene as pessoas à miséria, que transforme certas questões básicas da civilização, como o acesso à educação, é uma sociedade em que as pessoas queiram criar seus filhos. Não acredito."


Apesar das dificuldades, garante estar confiante. Está previsto para entre 22 e 26 de agosto – na média, como ela mesma observa, em 24 de agosto, dia do suicídio de Getúlio Vargas – o julgamento final do processo no Senado. Desta vez, afirma, a democracia irá renascer.

Leia entrevista completa:

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/243295/Dilma-%E2%80%9CEsse-governo-n%C3%A3o-est%C3%A1-olhando-para-a-popula%C3%A7%C3%A3o-mais-pobre%E2%80%9D.htm

 

 


{Acessos: 181}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: