Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Governo golpista entrega o primeiro campo do pré-sal ao capital estrangeiro
01 de agosto de 2016 Notícias
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

http://www.cut.org.br/noticias/promocao-campo-de-petroleo-de-r-33-bi-sai-por-r-8-5-bi-e850/

Promoção: campo de petróleo de R$ 33 bi sai por R$ 8,5 bi

Por Luiz Carvalho


Sem números convincentes para comprovar a mágica que iria promover para tirar o país da crise, o golpista Michel Temer (PMDB) busca cumprir a receita de vender patrimônio para fazer caixa. O problema é que a fórmula, fracassada nos anos 1990, tende a comprometer ainda mais o futuro do país.

No último dia 28, o Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda da participação no bloco exploratório BM-S-8 para a sueca Statoil Brasil Óleo e Gás por US$ 2,5 bilhões (R$ 8,5 bi) em mais um passo do plano de desinvestimento e sucateamento da companhia.

A área de Carcará, na Bacia de Santos, comprovadamente de alta produtividade, foi o primeiro campo de pré-sal negociado e tinha como operadores do consórcio Petrobras (66%), Petrogal Brasil (14%), Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás (10%) e Queiroz Galvão Exploração e Produção S.A. (10%).

A justificativa para a negociação, segundo o atual diretor financeiro da empresa brasileira, Ivan Monteiro, foram os “elevados investimentos que o bloco demandaria até 2020”, quando começaria a funcionar.

A FUP (Federação Única dos Petroleiros) avalia a negociação como um desastre. Para a organização, ainda que o campo vendesse o barril a US$ 50 dólares, preço do mercado atual em baixa, a expectativa de lucro seria de US$ 5 dólares, já que a Petrobras conseguiu atingir o patamar de custo de US$ 8, muito abaixo da média mundial (US$ 15).

Estima-se que a reserva tivesse em torno de dois bilhões de barris de óleo recuperável, portanto, um lucro de US$ 10 bilhões (R$ 33 bilhões). Para a Petrobras, parte principal no consórcio, caberiam US$ 6,7 bi (R$ 22 bi).

Segundo o coordenador-geral da FUP, José Maria Rangel, o verbo ‘vender’ deve ser substituído por outro mais adequado nessa negociação.

“O verbo que deve ser usado é doar. Com o desaquecimento da atividade de óleo e gás do mundo, todas as operadoras tiveram de refazer seu plano de investimento, porque o petróleo caiu de US$ 140 para US$ 50 e chegou a bater US$ 20 o barril. Muitas estão colocando ativos à venda e, quando você tem oferta muito grande, o preço cai e você tem hoje US$ 1 trilhão em ativos das operadoras, o que derruba o preço. O momento não é de vender, porque você corre o risco de entregar na bacia das almas, como comprova a negociação do campo de Carcará”, explica.

Preparar o terreno

Apesar de o campo de Carcará ser parte do pré-sal, foi leiloado em 1999 e estaria fora da lei de partilha (leia mais abaixo). Porém, a medida visaria preparar também o clima para a votação do projeto de retirada da Petrobras como operadora principal da riqueza.

O PL 4567/2016 (antigo PLS 131/2015, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), prestes a ser votado na Casa), tira a obrigatoriedade da Petrobrás de ser a operadora única do pré-sal e a participação mínima de 30% nos campos licitados.

A alteração rasga o regime de partilha (lei 12.351/2010) aprovado durante o governo do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva. O objetivo da medida era garantir que 50% do lucro com os royalties fossem destinados para um fundo social, de onde o governo tiraria recursos para aplicar em educação (75%) e saúde (25%).

“Em plena baixa do petróleo, o governo está fatiando a participação em petroquímicas e da BR Distribuidora. Isso é um erro básico de gestão”, disse.

Rangel refere-se à venda na participação da Companhia Petroquímica de Pernambuco (PetroquímicaSuape), na Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe), em nove campos de produção de petróleo e gás no Nordeste e o fatiamento de 2,5 mil km de gasodutos do Sudeste da BR Distribuidora.

“Os petroleiros já têm mobilizados as bases para impedir retrocessos, freamos a primeira tentativa de entrega do pré-sal e continuaremos em luta contra aqueles que um dia quiseram transformar a Petrobras em Petrobrax e estão de volta ao Planalto”, falou Rangel.


{Acessos: 128}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: