Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Macri obedece ao FMI, veta a Lei votada pelo povo nas ruas e no Parlamento
08 de junho de 2018 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Macri obedece ao FMI, veta a Lei votada pelo povo nas ruas e no Parlamento

Não é a primeria vez, esta é a sexta, em que Macri, abusivo aplicador de decretos de necessidade e urgência (DNU), levanta a espada do veto às leis da oposição votadas no Parlamento. A lei de Emergência Tarifária votada agora pelo Congresso argentino contra o chamado  “tarifaço”, graças à união das forças do peronismo, do kichnerismo e dos demais partidos reformistas e da esquerda, viabiliza o retrocesso dos valores das tarifas de luz, gás e água a novembro de 2017, e condiciona seus aumentos em conexão com o dos salários. Sem esta lei, o insustentável aumento médio de 1295% desde o início do governo Macri, chegará a 1768% e 1519% respectivamente para luz e gás, no fim deste ano. O valor das tarifas deverá chegar a ser 11% do salário. Vive-se uma situação em que famílias pobres devem optar entre iluminar e aquecer a casa no inverno ou comer.  Leia.

Macri veta a lei, e a credibilidade no seu governo despenca

O veto de Macri chegou depois do voto, como previamente anunciado nas ameaças a governadores peronistas conservadores, e ao “peronismo responsável” para que não se deixassem influenciar pelo que ele denominou “loucuras” da ex-presidenta e senadora, Cristina Kirchner, e votassem contra a Lei da Emergência Tarifária. Estas pressões anteriores, como as posteriores à votação da lei, com o veto presidencial, expressam, antes de tudo, uma crueldade de classe, interesses empresariais espúrios e de offshores de membros do governo, conivência com  multinacionais energéticas  Leia,  mas também debilidade e desespero, frente à derrota política de Macri que significou perder aliados eleitorais do campo burguês, da média e pequena indústria e comércio (Frente Renovadora) que junto a Cristina Kirchner (Aliança Cidadã) tiveram a iniciativa do projeto contra o “tarifaço”, e levaram, no Senado, 37 votos contra 30, após já terem sido vitoriosos na Câmara de Deputados.

Após os frequentes atropelos do Executivo ao Judiciário, agora é a vez do Executivo passar por cima do Legislativo. Com este escandaloso veto à vontade da maioria parlamentar, o governo Macri não tem escrúpulos de demonstrar seu anti-democratismo, desde que fique claro ao FMI, que lhes é servil a todas as condições impostas em cambio dos 30 bilhões de dólares de empréstimo: arrocho salarial, corte nas pensões, tarifaço, desemprego em massa, esvaziamento do estado e privatizações.  Mas é um veto sem nenhum respaldo social. Informa-se, que 95% das pessoas na área metropolitana coincidem que as tarifas não podem subir mais que os salários; e 88% se opõem ao veto presidencial.

A votação desta “lei de emergência tarifária” deu-se poucos dias após a multitudinária manifestação, no Obelisco de Buenos Aires, contra o FMI e os ajustes. Veja o vídeo: argentinos contra o FMI. O povo tem votado com os pés; por isso o Parlamento aprovou a lei. E Macri a vetou, passando também por cima das estatísticas que expressam que 77% está contra o FMI, que 91% vê uma grave crise econômica no país, que Macri tem 60% de imagem negativa e 26% de aceitação. Portanto, são imprevisíveis as formas que poderá tomar esta tragédia social na Argentina à qual responde este governo, diariamente, com anúncios e declarações que põem em dúvida se há, por sua parte, um projeto mínimo de negociação, e tática política de diálogo social institucional.

Tudo indica que como aqui se diz, o governo de “Cambiemos” veio com tudo para arrasar as conquistas da década kirchnerista e saquear o país a favor dos fundos abutres, das finanças internacionais e do FMI. No dia seguinte ao veto de Macri, o ministro das Finanças, Dujovni, negociador de François Lagarde (FMI), anunciou mais cortes, inclusive o congelamento da assunção de funcionários no serviço público federal por 2 anos.

O anúncio de tais medidas vêm acompanhado de declarações que surpreendem um povo reduzido à miséria, ao desemprego e ao desalento, na voz de um estadista, ao vetar a dita Lei com estas palavras: “eu gostaria de ter uma varinha mágica para fazer aparecer o dinheiro, mas isso não é assim! Nós argentinos, temos que assumir o verdadeiro valor da energia e consumir menos!”. Dias antes da votação, chegou a dizer que a solução era que as pessoas deviam comprar lâmpadas Led de baixo consumo. “Nós vamos continuar, batalhando contra todas as máfias no país, começando pelo narco-tráfico. Estamos fazendo as coisas tão bem que necessitamos de mais cadeias”. Além de tudo, anunciou que o governo estava estudando a possibilidade das Forças Armadas cumprir tarefas vinculadas à segurança. Os organismos pelos Direitos humanos, e o bloco parlamentar opositor já se está mobilizando para pedir esclarecimentos sobre isso, num momento de altíssima contestação social. Na área educativa também repercutiu e foi fortemente repudiada uma declaração da governadora, Vidal, de “Cambiemos”, no Rotary Club, sugerindo cortes orçamentários contra as Universidades Públicas nos bairros pobres, criadas no governo kirchnerista (como fizeram Lula/Dilma no Brasil):  “É pela igualdade que populamos a província de Buenos Aires com universidades públicasquando sabemos que os que nascem na pobreza não chegam à universidade?”. Vidal reforça palavras já ditas por Macri:“O problema não é fazer universidades por todos lados!” Evidentemente, muito triste; os pobres nunca estiveram na agenda de “Cambiemos”.

Reaparece Cristina, e Macri mostra músculos

A intervenção de Cristina Kirchner (Unidade Cidadã), foi a mais esperada pelos argentinos naquela madrugada do dia 31 de maio, em rede nacional, pois mais que senadora é a ex-presidenta que deixou em lágrimas 700 mil na Praça de Maio, em dezembro de 2015, ao despedir-se do seu governo e que materializou junto com Néstor Kirchner uma década de conquistas sociais, valorizou o trabalhador, o papel do Estado, nacionalizou YPF (Yacimientos Petrolíferos Fiscales) Veja video, reduziu ao mínimo a Dívida Externa, rompeu com o FMI e os Fundos Abutres, e criou a Lei das Comunicações . A nostalgia da “herança” perdida começa a tocar muitos eleitores de Macri. Cristina Kirchner, uma verdadeira estadista, fez uma brilhante exposição comparativa, com cifras e exemplos, entre o seu governo e o de Macri, sobretudo no campo econômico, financeiro e energético; denunciou as mentiras de “Cambiemos”, do presidente e da vice-presidenta ao eleitorado, a impunidade midiática e fez um alerta para impedir uma catástrofe econômica e social, ouvindo a voz do povo, hoje decaindo rumo à área da pobreza extrema, e pagando pelas nefastas consequências dos ajustes; demonstrou como o governo Macri ao manter o “tarifaço” não tem interesse em investir nos serviços públicos, mas favorecer a lucratividade das empresas privadas de energia com lobbies no seu governo.  Veja vídeo completo: Discurso de Cristina Kirchner no Senado

Como já era de se esperar, o  poder Judicial-Midiático, começa a abrir bateriais e tirar da gaveta  processos contra  Cristina Kirchner, sem provas, nem fundamentos, com o objetivo de tirar das telas de TV seu papel protagônico nas lutas políticas, e apagar as imagens das enormes manifestações contra os ajustes do governo Macri.

Prepara-se a Greve Geral Nacional

Ontem, a chamada Marcha Federal, vinda de vários rincões do país, desde o início da semana, confluiu na Praça de Maio, com mais de 400 mil trabalhadores informais da Economia Popular, ambulantes, autônomos, cooperativas com o lema: “Contra o veto, o ajuste, por pão e trabalho”.  Apoiados por todas as centrais sindicais da CTA e da CGT, e movimentos populares de bairro, preparam uma Greve Geral Nacional para o início de junho. O processo vai rumo a uma polarização de forças de classe e uma unidade de todos os movimento sindicais, sociais e parlamentares de esquerda contra o governo Macri e seus ajustes, abarcando uma frente única entre trabalhadores formais e informais, pequenos agricultores, junto às chamadas PYMES (pequena e média empresa). A conjuntura mundial, o triunfo eleitoral de Maduro na Venezuela; a derrota de Rajoy (pró-Macri) com a posse do presidente socialista Pedro Sánchez (pró-Lula) na Espanha; e a vitória parcial dos caminhoneiros e petroleiros no Brasil podem dar um maior empurrão na luta do povo argentino e latinoamericano.

H. Iono

03 de junho de 2018

 

 

 

Macri obedece ao FMI, veta a Lei votada pelo povo nas ruas e no Parlamento

 

Não é a primeria vez, esta é a sexta, em que Macri, abusivo aplicador de decretos de necessidade e urgência (DNU), levanta a espada do veto às leis da oposição votadas no Parlamento. A lei de Emergência Tarifária votada agora pelo Congresso argentino contra o chamado  “tarifaço”, graças à união das forças do peronismo, do kichnerismo e dos demais partidos reformistas e da esquerda, viabiliza o retrocesso dos valores das tarifas de luz, gás e água a novembro de 2017, e condiciona seus aumentos em conexão com o dos salários. Sem esta lei, o insustentável aumento médio de 1295% desde o início do governo Macri, chegará a 1768% e 1519% respectivamente para luz e gás, no fim deste ano. O valor das tarifas deverá chegar a ser 11% do salário. Vive-se uma situação em que famílias pobres devem optar entre iluminar e aquecer a casa no inverno ou comer.  Leia.

 

Macri veta a lei, e a credibilidade no seu governo despenca

 
O veto de Macri chegou depois do voto, como previamente anunciado nas ameaças a governadores peronistas conservadores, e ao “peronismo responsável” para que não se deixassem influenciar pelo que ele denominou “loucuras” da ex-presidenta e senadora, Cristina Kirchner, e votassem contra a Lei da Emergência Tarifária. Estas pressões anteriores, como as posteriores à votação da lei, com o veto presidencial, expressam, antes de tudo, uma crueldade de classe, interesses empresariais espúrios e de offshores de membros do governo, conivência com  multinacionais energéticas  Leia,  mas também debilidade e desespero, frente à derrota política de Macri que significou perder aliados eleitorais do campo burguês, da média e pequena indústria e comércio (Frente Renovadora) que junto a Cristina Kirchner (Aliança Cidadã) tiveram a iniciativa do projeto contra o “tarifaço”, e levaram, no Senado, 37 votos contra 30, após já terem sido vitoriosos na Câmara de Deputados.

 

Após os frequentes atropelos do Executivo ao Judiciário, agora é a vez do Executivo passar por cima do Legislativo. Com este escandaloso veto à vontade da maioria parlamentar, o governo Macri não tem escrúpulos de demonstrar seu anti-democratismo, desde que fique claro ao FMI, que lhes é servil a todas as condições impostas em cambio dos 30 bilhões de dólares de empréstimo: arrocho salarial, corte nas pensões, tarifaço, desemprego em massa, esvaziamento do estado e privatizações.  Mas é um veto sem nenhum respaldo social. Informa-se, que 95% das pessoas na área metropolitana coincidem que as tarifas não podem subir mais que os salários; e 88% se opõem ao veto presidencial.

 

A votação desta “lei de emergência tarifária” deu-se poucos dias após a multitudinária manifestação, no Obelisco de Buenos Aires, contra o FMI e os ajustes. Veja o vídeo: argentinos contra o FMI. O povo tem votado com os pés; por isso o Parlamento aprovou a lei. E Macri a vetou, passando também por cima das estatísticas que expressam que 77% está contra o FMI, que 91% vê uma grave crise econômica no país, que Macri tem 60% de imagem negativa e 26% de aceitação. Portanto, são imprevisíveis as formas que poderá tomar esta tragédia social na Argentina à qual responde este governo, diariamente, com anúncios e declarações que põem em dúvida se há, por sua parte, um projeto mínimo de negociação, e tática política de diálogo social institucional.

 

Tudo indica que como aqui se diz, o governo de “Cambiemos” veio com tudo para arrasar as conquistas da década kirchnerista e saquear o país a favor dos fundos abutres, das finanças internacionais e do FMI. No dia seguinte ao veto de Macri, o ministro das Finanças, Dujovni, negociador de François Lagarde (FMI), anunciou mais cortes, inclusive o congelamento da assunção de funcionários no serviço público federal por 2 anos.

 

O anúncio de tais medidas vêm acompanhado de declarações que surpreendem um povo reduzido à miséria, ao desemprego e ao desalento, na voz de um estadista, ao vetar a dita Lei com estas palavras: “eu gostaria de ter uma varinha mágica para fazer aparecer o dinheiro, mas isso não é assim! Nós argentinos, temos que assumir o verdadeiro valor da energia e consumir menos!”. Dias antes da votação, chegou a dizer que a solução era que as pessoas deviam comprar lâmpadas Led de baixo consumo. “Nós vamos continuar, batalhando contra todas as máfias no país, começando pelo narco-tráfico. Estamos fazendo as coisas tão bem que necessitamos de mais cadeias”. Além de tudo, anunciou que o governo estava estudando a possibilidade das Forças Armadas cumprir tarefas vinculadas à segurança. Os organismos pelos Direitos humanos, e o bloco parlamentar opositor já se está mobilizando para pedir esclarecimentos sobre isso, num momento de altíssima contestação social. Na área educativa também repercutiu e foi fortemente repudiada uma declaração da governadora, Vidal, de “Cambiemos”, no Rotary Club, sugerindo cortes orçamentários contra as Universidades Públicas nos bairros pobres, criadas no governo kirchnerista (como fizeram Lula/Dilma no Brasil):  “É pela igualdade que populamos a província de Buenos Aires com universidades públicasquando sabemos que os que nascem na pobreza não chegam à universidade?”. Vidal reforça palavras já ditas por Macri:“O problema não é fazer universidades por todos lados!” Evidentemente, muito triste; os pobres nunca estiveram na agenda de “Cambiemos”.

  

Reaparece Cristina, e Macri mostra músculos

 

A intervenção de Cristina Kirchner (Unidade Cidadã), foi a mais esperada pelos argentinos naquela madrugada do dia 31 de maio, em rede nacional, pois mais que senadora é a ex-presidenta que deixou em lágrimas 700 mil na Praça de Maio, em dezembro de 2015, ao despedir-se do seu governo e que materializou junto com Néstor Kirchner uma década de conquistas sociais, valorizou o trabalhador, o papel do Estado, nacionalizou YPF (Yacimientos Petrolíferos Fiscales) Veja video, reduziu ao mínimo a Dívida Externa, rompeu com o FMI e os Fundos Abutres, e criou a Lei das Comunicações . A nostalgia da “herança” perdida começa a tocar muitos eleitores de Macri. Cristina Kirchner, uma verdadeira estadista, fez uma brilhante exposição comparativa, com cifras e exemplos, entre o seu governo e o de Macri, sobretudo no campo econômico, financeiro e energético; denunciou as mentiras de “Cambiemos”, do presidente e da vice-presidenta ao eleitorado, a impunidade midiática e fez um alerta para impedir uma catástrofe econômica e social, ouvindo a voz do povo, hoje decaindo rumo à área da pobreza extrema, e pagando pelas nefastas consequências dos ajustes; demonstrou como o governo Macri ao manter o “tarifaço” não tem interesse em investir nos serviços públicos, mas favorecer a lucratividade das empresas privadas de energia com lobbies no seu governo.  Veja vídeo completo: Discurso de Cristina Kirchner no Senado

 

Como já era de se esperar, o  poder Judicial-Midiático, começa a abrir bateriais e tirar da gaveta  processos contra  Cristina Kirchner, sem provas, nem fundamentos, com o objetivo de tirar das telas de TV seu papel protagônico nas lutas políticas, e apagar as imagens das enormes manifestações contra os ajustes do governo Macri.

 

Prepara-se a Greve Geral Nacional

 

Ontem, a chamada Marcha Federal, vinda de vários rincões do país, desde o início da semana, confluiu na Praça de Maio, com mais de 400 mil trabalhadores informais da Economia Popular, ambulantes, autônomos, cooperativas com o lema: “Contra o veto, o ajuste, por pão e trabalho”.  Apoiados por todas as centrais sindicais da CTA e da CGT, e movimentos populares de bairro, preparam uma Greve Geral Nacional para o início de junho. O processo vai rumo a uma polarização de forças de classe e uma unidade de todos os movimento sindicais, sociais e parlamentares de esquerda contra o governo Macri e seus ajustes, abarcando uma frente única entre trabalhadores formais e informais, pequenos agricultores, junto às chamadas PYMES (pequena e média empresa). A conjuntura mundial, o triunfo eleitoral de Maduro na Venezuela; a derrota de Rajoy (pró-Macri) com a posse do presidente socialista Pedro Sánchez (pró-Lula) na Espanha; e a vitória parcial dos caminhoneiros e petroleiros no Brasil podem dar um maior empurrão na luta do povo argentino e latinoamericano.

H. Iono

03 de junho de 2018

Publicado no Brasil247: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/helenaiono/357242/Macri-obedece-ao-FMI-veta-a-Lei-votada-pelo-povo-nas-ruas-e-no-Parlamento.htm


Palavras-chave: Lei do tarifaço;Argentina;Macri;Cristina Kirchber;FMI

{Acessos: 167}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Apoio incondicional à candidatura Haddad-Manuela e à coligação!
Pela composição mais ampla com todas as forças de esquerda, progressistas, nacionalistas e democráticas e dissidentes do regime ditatorial neoliberal e fascista! É preciso contar com as divergências do inimigo. É preciso emplacar Haddad no primeiro turno.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: