Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Muitas Lições nos 39 anos da Revolução Iraniana
19 de fevereiro de 2018 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Publicado no Pátria Latina: http://www.patrialatina.com.br/muitas-licoes-nos-39-anos-da-revolucao-iraniana/

Beto Almeida*

 

No dia 9 de fevereiro de 1979, chegava ao poder uma  Revolução que mudou radicalmente a face socioeconômica  da nação persa. Liderada pelo Aiatolá Khomeini, ela completa agora os seus 39 anos de existência, de resistência e de progressos multitudinários que muitas lições oferecem às forças progressistas no mundo, especialmente no Brasil.

O ano de 1979, quando estava em franca expansão a Teologia da Libertação, foi pródigo por oferecer à História duas revoluções com inegável participação de religiosos em sua direção. No Irã e na Nicarágua, esta em julho de 1979.

Sempre observada com dose de desconfiança  e preconceito por alas da esquerda brasileira, o mesmo preconceito que nutriu uma equivocada avaliação sobre o trabalhismo de Getúlio Vargas, a Revolução Iraniana demonstra, ao longo dos anos, de modo exemplar,  como com unidade cívico militar alavanca a capacidade vencer as armadilhas e sabotagens golpistas que o imperialismo lhes colocou no caminho, a começar pelo bloqueio de todas as reservas financeiras iranianas nos bancos internacionais, algo superior a 100 bilhões de dólares, bloqueio ilegal, até hoje não devolvidos.

 Resultado de imagem para mossadeghI

Irã derrota a Coação da História

Vale registrar que o Irã, tal como o Brasil, teve ceifado, nos anos 50, uma via própria de libertação da Coação da História, uma caracterização usada por Getúlio Vargas para definir a opressão imperial exercida sobre os países periféricos. O governo nacionalista de Mossadeg, que também nacionalizou o petróleo e dava passos fortes na independência do Irã, foi derrubado, em 1953,  por um golpe organizado pela Cia, tal como o governo de Getúlio Vargas, que realizara a Auditoria de Dívida Externa, industrializara o país e erguia a Petrobras, apoiada em amplos direitos sociais e laborais, como uma alavanca para sua definitiva soberania e independência. Àquela altura, o Brasil registrava taxa de anual de crescimento de 12 por cento. Nem a China… Tanto Mossadeg, Vargas, Jacob Arbenz, na Guatemala, e no ano seguinte, 1955, Juan Domingo Perón, foram derrubados por operações golpistas similares. Mas, a incompreensão de uma parcela da esquerda teve significativo peso para o correto entendimento destes processos.

No Irã se verificam alguns dos pressupostos da Teologia da Libertação, que, aparentemente, seria apenas voltada para a ação do mundo religioso católico, mas que, no caso iraniano revelou-se como uma leitura autêntica, rigorosa e verdadeira das palavras dos Islâ,  e que encontrou na revolução social uma via transformadora da relações sociais, culturais, econômicas, científicas e tecnológicas, inclusive com uma doutrina própria e eficaz para a defesa e a soberania. Sem esta unidade dos diversos campos de atuação social, a Revolução Iraniana não teria sido vitoriosa, pois logo em 1980 o imperialismo manipulou o Iraque de Sadam Houssein contra o Irã, numa guerra de 8 anos de duração e mais de milhão de mortos, prova dura para a Revolução Iraniana que, não apenas foi obrigada a sacrificar parte de sua juventude, como também, ao mesmo tempo, teve que construir seus próprios meios de defesa, ao passo que o Iraque era armado pelos EUA. Tal exigência imposta ao Irã lhe  proporcionou um grande salto tecnológico, contando apenas com recursos nacionais e de uma nova geração de cientistas, organizados com base em políticas estatais vigorosas, com a clareza de que se tratava de uma questão de Independência ou Morte para a Revolução.

 Resultado de imagem para tecnologia iraniana

O Salto Tecnológico Iraniano

Seria muito extenso relatar todos os enormes êxitos da Revolução Iraniana, mas vale o registro de que hoje, a indústria petroleira totalmente estatal, não possui um único técnico estrangeiro, sendo que, depois do golpe contra o “varguista”Mossadeg, fora ocupada totalmente pelos ingleses. Além da tecnologia petroleira nacionalizada, o Irã exerce o direito que possui, obviamente, de desenvolver, também, a indústria nuclear, o que tem sido feito com recursos nacionais, muito embora haja também alguma colaboração tecnológica russa. A mídia ocidental apresenta o Irã como se fosse um país retrógado, mas, na realidade, trata-se de um país com alto nível de desenvolvimento científico, tecnológico e cultural.

Comparando com o Brasil, o Irã avançou enormemente em seu programa nuclear, que, no Brasil, foi iniciado também na Era Vargas, sob a direção do nacionalista Almirante Álvaro Alberto, mas, até hoje, o programa brasileiro sofreu ações de descontinuidade, sobretudo nos períodos de governos antinacionais, com o de Fernando Henrique Cardoso e, pior ainda, agora com a marionete imperial Michel Temer. No Irã, sustentada por uma forte unidade cívico-militar, construída a partir das mesquitas, verifica-se que foi exatamente essa unidade que derrotou,  recentemente, com a mobilização de milhões de iranianos nas ruas, o golpe organizado pela Cia, que agora tenta insistir na Campanha Intervencionista para que as mulheres retirem o Chador (Véu), quando, em um plebiscito realizado na década de 1980, as mulheres decidiram, pelo voto democrático, pela manutenção de um costume ancestral. Ou seja, é o próprio governo , com o apoio natural das mesquitas e o uso patriótico dos meios de comunicação, que convoca a mobilização popular que desbaratou a sabotagem imperialista. No Brasil, o governo Dilma não realizou uma imprescindível convocação do povo para exercer democraticamente a defesa do processo democrático

Resultado de imagem para democracia e ditaduras 

A democracia ocidental é a que mais organiza ditaduras

Ou seja, diferente do Irã o Brasil não foi capaz de reagir às manobras de desestabilizações de sua soberania e sucumbiu ingenuamente ante as operações externas para interromper o curso de transformação que, com a eleição de Lula, permitia recuperar parte do programa soberano que teve início na Era Vargas, com a Revolução de 30. Os exemplos do Irã , ao longo destes 39 anos de revolução, jamais foram discutidos com seriedade e profundidade pela esquerda brasileira que, em boa medida, em algumas alas, contentava-se com a condenação ao processo iraniano adotando como molde um critério de  avaliação sustentado em falsos conceitos de democracia ocidental. A democracia ocidental é a que mais organiza ditaduras.

Antes da Revolução de 1979, o Irã vivia sob ditadura sanguinária do Xá Reza Pahlevi, apoiado pelos EUA e o ocidente, sem eleições, sem direitos sindicais. Mas, desde a Revolução, todos os governos iranianos foram eleitos pelo voto direto e secreto, o que não ocorre nos EUA ou na Arábia Saudita. Atentos às ações externas de desestabilização, a Revolução Persa tem derrotado todas as tentativas de golpe, tem vencido todas as sanções econômicas e financeiras, derrotou a própria agressão militar em que o império terceirizou o Iraque de  Sadam , e hoje, o Iraque já é um grande aliado do Irã, que, por sua vez, tem papel decisivo, ao lado da Rússia, para salvar a soberania da Síria, atacada por um terrorismo fabricado em Washington, como reconheceu Hillary Clinton, em  entrevista divulgada por Telesur, quando disse que “sim, os EUA fundaram a Al Qaeda” .

Resultado de imagem para mulheres  iraniana com chador

Ataque ao Chador visa o programa nuclear do Irã

Obama, falso Prêmio Nobel da Paz, sempre esteve por trás das operações de apoio ao chamado Estado Islâmico, que, pretendia arrasar a Síria, como arrasou com a Líbia (derrubando o regime de mais elevado IDH da África), para só então atacar o Irã. Ao contrário dos governos democráticos populares no Brasil, quando os alertas sobre ingerência externa não foram levados a sério, como, por exemplo, os escancarados financiamentos às Jornadas de Junho de 2013, saudadas por uma certa esquerda.  A direção iraniana, com uma original  aplicação dos ensinamentos islâmicos em sintonia com os valores da soberania e  da  independência nacionais, tendo por base uma revolução que contou com a participação armada das mulheres, com o Chador, mobilizou sempre milhões e milhões de iranianos para os esforços da defesa da Revolução bem como para avanço científico e tecnológico   –  o Irã já envia naves tribuladas ao espaço sideral, e o programa espacial brasileiro está sob intervenção externa   –   e também para o progresso da cultura, com justificado reconhecimento ao talentoso e humanista cinema  persa.

Fantasia e credulidade

Ao contrário do descuido e da superficialidade com que parte da esquerda brasileira tratou as notórias ações de ingerência, espionagem e desestabilização contra a Petrobras, o governo, as instituições brasileiras, a direção iraniana , com sua singular aplicação de uma dialética teologia da libertação, organiza a defesa da Causa Palestina, organiza uma Frente Única Anti-imperialista com a Rússia e a China para defender a Síria e  para promover um comércio regional, com a justa exclusão da moeda sem lastro chamada  dólar, oferecendo, ao mesmo tempo, uma admirável solidariedade persa à Revolução Bolivariana da Venezuela. Descuidada, a esquerda brasileiro ignorou os avisos e sucumbiu na credulidade em torno do funcionamento de instituições que já estavam controladas a partir do poder imperial externo, o mesmo poder que agride, mas não consegue vencer a resistência popular e estatal da Revolução Iraniana.

 A beleza de ser um eterno aprendiz

Seria muito útil que as forças democráticas brasileiras, na luta ela recuperação plena da democracia, hoje anulada, refletisse com afinco sobre o que tem possibilitado à Revolução Iraniana, nestes 39 anos de vitória, tantos avanços em sua própria industrialização, e, sua sofisticada tecnologia de defesa e aeroespacial, nos tremendos avanços nas áreas de saúde e educação (hoje o Irã é um polo de turismo em saúde na Região)  e, também, sobre a constante convocação, sem vacilações, da mobilização popular para defender , com milhões nas ruas, todas as conquistas da Revolução iniciada  criativamente nas Mesquitas, liderada pelo  Aiatolá Khomeini e que conquistou também respeito na humanidade.

A Revolução Iraniana jamais agrediu qualquer país, mas desenvolveu, com recursos próprios, uma elevada capacidade de defesa para preservar todas as conquistas a partir de 1979, inclusive, o direito de prestar solidariedade ao povo sírio e palestino, agredidos criminosamente pelos Eua e por seu satélite, Israel. São muitas lições a extrair do processo revolucionário iraniano, mas, para tal, aquela revolução merece ser examinada com respeito e sem preconceitos pelas forças progressistas brasileiras

*Beto Almeida, jornalista, Membro do Diretório da Telesur

Participou da I Conferência Científica Internacional do Movimento dos Não-Alinhados, em Teerã, em 2012


Palavras-chave: Irã;

{Acessos: 171}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: