Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Operação Navalha e a crise irreversível da representação política atual das elites e das forças conservadora
10 de junho de 2007 Comunicação Edições Anteriores Editorial
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Intervir nas contradições do governo Lula para avançar

na luta antimperialista a nível continental

Presidente Lula no

I Fórum Nacional das TVs Públicas

 

A Polícia Federal não atua por inércia, sem orientação e movida simplesmente por um afã patriótico e ético: há um movimento no governo e na sociedade que pressiona e exige iniciativas e maior controle do Estado sobre a “ditadura dos construtores” e sua simbiose com a velha e corrupta classe política. O governo Lula, apesar de toda a conciliação com as forças tradicionais e dos esforços para cooptar todas as componentes da elite para manter uma governabilidade tranqüila, e de todas as concessões adjacentes, encontra-se na situação de desenvolver o país, de oferecer crescimento e estabilidade e responder ao eleitorado que o elegeu, e aos avanços revolucionários do resto da América Latina. Isso está em contradição com o atual arranjo institucional e o funcionamento carcomido da administração pública e da classe política atual. Nem o PAC nem projeto de desenvolvimento algum podem caminhar quando bilhões e bilhões saem pelo ralo da corrupção graúda e miúda, envolvendo exponentes centrais da administração pública e do legislativo.

Independentemente que as forças políticas possam manipular os resultados e o desenrolar da “Operação Navalha”, ou limitar o seu alcance com habeas-corpus por atacado, fazer uso da mídia ou por espírito de corporação como ocorre no Senado, ou mesmo reagir e cercear o trabalho da Polícia Federal ou da banda não-contaminada do poder judiciário, já o estrago está feito: por isso na percepção popular o Congresso Nacional ocupa o último lugar da escala de credibilidade. A ridícula tentativa do Senado, desmoralizado até a alma pelo escândalo que envolve o seu presidente, de outorgar-se em juiz da democracia na Venezuela, por meio da defesa do canal privado RCTV e seus desmandos, mostra que estes senadores escamoteiam os reais e terríveis problemas do Brasil, inclusive o da existência de uma ditadura midiática da qual, paradoxalmente, eles mesmos podem ser vítimas em qualquer momento.

Isto forma parte das condições subjetivas e objetivas para que os movimentos sociais irrompam à cena, e o Congresso Nacional do MST é uma ótima oportunidade, para apresentar-se ao país com propostas e idéias incisivas que ajudem a reforçar a melhor ala deste governo, que, paradoxalmente, encontra-se em condições mais favoráveis para limitar a pressão das alas mais conservadoras e oportunistas. O governo de Lula apresenta elementos contraditórios sobre os quais é preciso refletir com o critério da objetividade critica, e de uma estratégia e tática que não freiem, mas empurrem as forças progressistas institucionais que querem avançar, junto aos movimentos sociais, para obter avanços na luta pelas transformações sociais.

É inegável que a repressão aos movimentos sociais continua, seja pela ação direta das elites (violência no campo) seja pela atuação dos órgãos de Estado, como a polícia e a justiça contra os pobres das áreas urbanas. Ela não é assumida abertamente pelo governo, mas este é conivente. A grande questão do Brasil é a questão social, e a esta o reformismo dá somente pálidas respostas. O “combate à violência” nos morros do Rio é emblemática, pois transforma em questão militar problemas eminentemente e evidentemente sociais. Os programas de “aceleração” da educação e as iniciativas sociais – ninguém pode refutar este esforço – prometem um futuro melhor mas só dentro de algumas décadas, o que contrasta com a realidade de lutas sociais e rápidas transformações no continente Sul-Americano.

No fundo, o que faz com que os pecados neoliberais do governo sejam perdoados é a aparentemente calmaria na área econômica. É a paz do núcleo do furacão: o mundo está em reboliço, pode desabar, junto com o império do dólar, o papel pintado. O Brasil pode ficar com a brocha na mão, enquanto os especuladores já estarão longe, em outras paragens ou nos abismos do inferno e da guerra. Frente ao primeiro tremor forte da economia mundial, o gradualismo das reformas fiscais, da redução a conta-gotas da taxa de juros, das desonerações setoriais e o jogo tranqüilo do “equilíbrio cambial”, que teoricamente conduziriam o país ao caminho do crescimento, podem dar lugar a uma turbulência e a novas iniciativas truculentas por parte da área econômica para garantir os lucros e privilégios de banqueiros, investidores, especuladores e das oligarquias econômicas, em nome da “estabilidade”.

Não será um jogo fácil, do qual o Brasil poderá se safar com “competitividade”. Principalmente se ficarem livres os mecanismos de nova colonização na área dos biocombustíveis, com a desnacionalização acelerada e evidente do setor. O PAC é um impulso aos investimentos, mas coloca em estridente evidência que, sem o papel preponderante do Estado, o país não poderá se desenvolver.

Paradoxalmente, as elites jamais viveram uma crise de representação política como a atual, e tentam embarcar um por um dos seus representantes no barco do Governo Lula para incliná-lo para o próprio lado. A oposição vacila, se dispersa. Em parte por não ter do que reclamar, já que seus pleitos são atendidos. Em parte, por não ter alternativa alguma a propor, acontentando-se em roubar à esquerda as suas bandeiras históricas, por ela esquecidas num armário. Por isso a oposição se diz mais “ética” e “distributivista” que a própria esquerda.

O que realmente faz com que o barco navegue tão devagar e sem rumo é a falta de coordenação e de vida política dos partidos de esquerda e dos sindicatos que recolham o enorme potencial de inteligência e capacidade de luta dos velhos quadros operários e da juventude deste país. Lula ocupa em certo sentido o vácuo com seus pronunciamentos e o seu instinto político, na ausência de vida política do próprio PT. Os movimentos sociais são os que mais se mobilizam, discutem e combatem, mas ao não encontrarem eco nos partidos (a não ser na igreja de base e nas Pastorais da Terra e em intelectuais e artistas de esquerda), correm o risco de serem induzidos ao isolamento ou à pura e simples crítica ao governo.

É necessário sair da atitude simplista de que “a culpa é do governo, que desarmou os setores combativos”, traindo ou cooptando as suas bases sociais. As bases sociais nunca renunciaram à perspectiva da transformação, mas entendem que ela passa por esta experiência, por este governo real e que diariamente tem que tomar medidas, decisões, aplicar leis, e o têm feito de maneira diversa de todos os governos neoliberais precedentes. Diante das contradições interiores deste governo, é preciso ver que há vários quadros técnicos e políticos que resistem no plano institucional, às concepções mais reacionárias. É crucial aliar-se para estimular a ruptura com as grandes transnacionais.

Claro está que as mobilizações da sociedade organizada formam parte da aliança: a espera tem que ser ativa, combativa, na qual se estimule ou obrigue o governo a tomar determinadas posições mais próximas aos movimentos sociais. Há que se levar em conta que este governo é um duplo refém: das elites, pelos mecanismos econômicos neoliberais herdados das derrotas do movimento operário dos anos 80 e 90; mas também da sua base social e do poderoso processo de transformação social em curso no resto da América Latina que penetra por todos os poros e indica novos caminhos, a quebra dos paradigmas reacionários e neoliberais, abre novas possibilidades de desenvolvimento e mudanças sociais em favor dos mais pobres.

É pouco? Não, neste mundo de polarização e guerra, e no qual já se discute o socialismo do século XXI. O que não se pode é ficar à espreita, ou à espera, de fora, fazendo a crítica “de esquerda”. É preciso arrancar conquistas, retomar as grandes reflexões, propostas estratégicas de desenvolvimento, pelejar no terreno das chamadas “reformas”, abrir brechas por todos os flancos e combater os neoliberais encastelados nas várias instituições, porque as condições são propícias para empreender outro tipo de desenvolvimento energético, ambiental, social e político.

Os movimentos sociais, a lutas do MST exigindo o cumprimento da Reforma Agrária, as greves do funcionalismo, dos professores e metroviários de São Paulo e Brasília, as ocupações de fábricas como as de Itapevi, e as manifestações do Grito da Terra de 23 de maio, no Dia Nacional de Luta Unificada, mostram o potencial dos movimentos sociais para pressionar o governo, sem o que não há conquistas sociais que se sustentem.

O veto presidencial à Emenda 3 e a mobilização dos sindicatos, necessitam de uma mútua interação para assegurar que as leis trabalhistas e a CLT do tempo de Vargas, não retrocedam. Os debates pré-congressuais do PT devem recolher as expectativas dos movimentos sociais e assumir a Campanha pela Empresa Brasileira de Agroenergia, e da democratização dos meios de comunicação, de apoio à fusão das TVs Públicas com as TVs comunitárias. Energia, Comunicação e Reforma Agrária, são centros nevrálgicos para empurrar o governo no rumo das transformações sociais. O que é certo é que ainda há um enorme terreno de combate e de conquistas a serem feitas.

Junho de 2007


{Acessos: 154}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: