Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Povo argentino se mobiliza e faz greve geral. Macri, zomba, lhe dá as costas
30 de setembro de 2018 Artigos
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Publicado no https://www.brasil247.com/pt/colunistas/helenaiono/370283/Povo-argentino-se-mobiliza-e-faz-greve-geral-Macri-zomba-e-lhe-d%C3%A1-as-costas.htm

A manifestação nacional do dia 24 em Buenos Aires que, segundo os organizadores, chegou a 500 mil, pode não parecer uma novidade para uma Argentina em pé de luta, com protestos de rua quase todos os dias, desde que Macri assumiu a presidência.

Porém, ela trouxe um fator novo: nela convergiram todos os movimentos sociais celebrando uma nova Frente Sindical para o Modelo Nacional (FSMN), que traçam um plano de lutas unificado entre as duas CTAs (dos Trabalhadores e Autônoma) da qual participam vários sindicatos da educação, da saúde e do estado (ATE) junto aos sindicatos combativos da CGT (caminhoneiros, bancários, SMATA do setor automobilístico, jornaleiros, transportes públicos e aeroviários, etc...) que divergem da política conciliadora da atual e tradicional direção nacional da CGT (chamada triunvirato).

Isso não significa uma quebra da unidade sindical, mas um fortalecimento da maioria da corrente combativa dos trabalhadores. Em termos de protestos, a pressão social é tão grande que, as direções sindicais, mesmo da atual CGT, são obrigadas a tomar medidas de força unificadas como a greve geral nacional que foi unânime em todo o país, no dia seguinte, 25 de setembro. 

Esta greve geral, a quarta durante os dois anos e meio do governo de “Cambiemos”, foi mais ampla que as anteriores, indicando o estado de descontento social profundo na Argentina. Nem as moscas se ouviam nas capitais e cidades, totalmente desertas no país. Pararam escolas, bancos, transportes públicos (trens, ônibus, metrôs, aviões de voo nacional e internacional), caminhões e taxis, funcionários públicos e ministeriais; e o notável foi que, desta vez, a maioria do comércio fechou as portas. Mesmo assim, houve manifestações localizadas, cortes de estrada e piquetes em várias cidades do país.

No mesmo dia da greve geral, renuncia o presidente do Banco Central (BCRA), Luís Caputo, indicado por Macri há três meses atrás, após ter contribuído para uma enorme fuga de capitais das reservas da nação, com a política cambial orientada pelo FMI e o ministro da economia, Nicolás Dujovne. Agora vem Guido Sandleris, o terceiro presidente no arco de seis meses. Tudo indica que esta mudança responde aos ditames do FMI e às negociações realizadas pelo presidente Macri com Christine Lagarde, nos últimos dias de ausência, em visita aos EUA, onde fez declarações de profundo amor e subalternidade ao FMI, anunciando-lhe, inclusive, sua recandidatura presidencial em 2019.

Com enorme preocupação, o povo argentino recebeu essa bofetada, como resposta ao seu ato de protesto com a greve geral.  A renuncia de Luís Caputo, e o controle total do FMI do Banco Central, para que o governo Macri garanta o pagamento da colossal dívida externa a seus credores estrangeiros e, portanto, o ajuste total da economia, redução de gastos públicos, corte e fusão de ministérios fundamentais (saúde, trabalho, educação e agroindústria), desemprego em massa, rebaixamento salarial e quebra das indústrias nacionais e do estado, degradação das escolas públicas, fechamento de hospitais públicos (veja reação dos trabalhadores do Hospital Posadas).

O movimento social e sindical na sua incansável luta das ruas tem reclamado também à oposição parlamentar que se mova, que assuma o combate à política econômica do governo e vote com unidade e decisão, nos próximos dias no Congresso, contra o orçamento nacional dos ajustes, imposto pelo FMI. O protesto está sacudindo a oposição a que se mova também na área judicial, diante das ameaças às garantias constitucionais e do cidadão comum que rondam no país. A estratégia dos estranhos “cadernos” de um chofer, a perseguição judicial de Bonadio contra a ex-presidente Cristina Kirchner, das “acusações sem prova, mas com convicções”, e o aumento da repressão ao movimento social, preocupam os defensores da democracia na Argentina. Justo a tempo, se está conformando nos próximos dias um Fórum de advogados na defesa da constituição e dos direitos humanos da cidadania.

H. Iono
Correspondente

26/09/2018

Assista o vídeo abaixo (onde consta também uma declaração do deputado nacional, Agustin Rossi (presidente da bancada da FPV), em apoio à candidatura de Haddad e em solidariedade a Lula)

Manifestação na Argentina no dia 24 de setembro


Palavras-chave: Argentina;greve geral;

{Acessos: 39}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Apoio incondicional à candidatura Haddad-Manuela e à coligação!
Pela composição mais ampla com todas as forças de esquerda, progressistas, nacionalistas e democráticas e dissidentes do regime ditatorial neoliberal e fascista! É preciso contar com as divergências do inimigo. É preciso emplacar Haddad no primeiro turno.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: