Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
Repercussões no Irã do acidente do buque petroleiro no Mar da China
20 de janeiro de 2018 Notícias
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Notícia Telesul:
https://www.telesurtv.net/news/Marea-negra-en-el-mar-de-China-es-casi-tan-grande-como-Paris-20180118-0010.html  

Notícia e ponto de vista do nosso correspondente S. Bav: 

 

O acidente da Petroleira iraniana Sanchi nas águas do território marítimo chinês tem implicações  semelhantes a outros acidentes como o do Ara San Juan na Argentina e o do submarino russo Kursk no passado.  Surgiram várias falsidades e notícias cruzadas e absurdas, demonstrando um plano político por trás do acidente como parte de todos os últimos acontecimentos no Irã.

Há uma luta e uma guerra de poderes, entre ataques e defesas mútuas e contínuas. Enquanto o ex-presidente Ahmadinejad foi passado de titular a suplente, os tiros continuam. Hoje, o líder supremo Ali Khamenei roga aos 43 representantes do Parlamento Islâmico reunido em Teerã (ausentes 5 países entre os quais a Arábia Saudita, Emirados Árabes e Egito)  que sejam explícitos e que não se submetam a problemas marginais alegando que a diferença entre Trump e os demais é que este é mais direto e explícito; desta forma, não haveria uma diferença substancial com Obama ou outros. Na realidade, Khamenei condenou a política de conciliação anterior de Rouhani com os americanos, que continua nos fatos, mas não em palavras.

Vários capitães da marinha mercante iraniana denunciam que o governo nunca pediu o resgate, e que a petroleira iraniana navegava com a velocidade de 4,5 km horários, praticamente parado na rota do cargueiro chinês proveniente dos EUA rumo a Hong Kong. Ao pedir o resgate, abre-se toda uma questão legal e operacional oficial. Mas o governo relegou, e enquanto isso, começou a difamar a China, acusando-a de negligência, mantendo viva a esperança das famílias e das pessoas de que marinheiros e estudantes estejam vivos e entrincheirados na área das máquinas.

As mentiras foram entrecruzadas de forma absurda, condenando e demolindo o Estado, porque “o verdadeiro destino do petróleo era a Coréia do Norte, e os Estados Unidos bombardearam o navio!”. Ou então: “Não se sabe se existia realmente outro navio e se os chineses dormiram na noite". A Câmara de Comercio fez uma declaração contra a China que já há tempo não permite os comerciantes iranianos, controlando-os, evitando exportações da China ao Irã. Porque o tão difamatório e agressivo? A verdade é que a China utilizou durante muitos meses medidas legais, impedindo a lavagem de dinheiro sujo do Irã que, através da venda de produtos, muitas vezes de má qualidade da China ao Irã, levando ao enriquecimento de máfias e comerciantes iranianos inventados em detrimento do mercado interno do Irã, prejudicando o prestígio da China. Este documento da Câmara de Comércio do Irã também estabelece que a China impede que o Irã se converta num membro oficial da Organização de Colaboração de Xangai.Os chineses podem haver percebido a má intenção e, em determinado momento, ter subido à petroleira durante meia hora, no meio do gás, fogo e perigo de explosão tomando a caixa negra e levando-a a Xangai, enclausurando-a três vezes com chumbo. Deverão abri-la após um mês, com a presença de todas as partes. Esta havia sido a melhor defesa e se verá com calma o que terão a revelar. Supondo que tudo isto foi um ataque macabro, qual seria a finalidade?

O governo decretou luto nacional, enquanto todo o mundo falava de mil disparates no seio da pequeno burguesia alta, e aumentava o número dos apoiadores de Trump como uma solução; mas o assunto começava a desinflamar-se seja no parlamento, que no governo. Por alguns dias, aparentemente, o parlamento estava cedendo à pressões financeiras, mas agora, parece que se encontram em dificuldade para eliminar a carga financeira das costas das classes mais necessitadas, mudando o caráter liberal e antipopular privatizante para uma financiária que apoia a produção interna e a população. O presidente Rouhani havia dado uma freada contra esta mudança, ou seja, havia proibido a modificação dos objetivos da financiaria, mas tudo indica que após as várias provocações, as coisas estão tomando a direção contra as medidas do governo. Provavelmente estão em jogo coisas maiores que os fatos destes dias. Enquanto as duas Coreias discutem contra os desejos dos EUA, organizam um exército equipado no norte da Síria com os kurdos nas fronteiras da Turquia, com todas as ameaças previsíveis deste último contra os EUA.

16/1/18


Palavras-chave: Irã;china;petroleira

{Acessos: 54}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Dia 24 em Porto Alegre: Duvidosa a reação do Judiciário, mas certeiro e irreversível o salto organizativo e político do movimento de massas
Qualquer que seja o resultado do julgamento de Lula pelo TRF 4 em Porto Alegre no dia 24 de Janeiro, o fracasso político do ataque jurídico-midiático jorra por todos os lados, diante da enorme mobilização de massas a nivel nacional e a reação de importantes forças políticas a nível internacional.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: