Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
VENEZUELA: transformação na cultura e educação
01 de maio de 2012 Artigos Cultura Edições Anteriores
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

O processo revolucionário na Venezuela brinda aos povos da América Latina inúmeros exemplos de medidas transformadoras que estão sendo realizadas no plano sócio-econômico, das quais as culturais e educacionais merecem particular atenção. Participantes do stand internacional, “Edições Ciência, Cultura e Política”, e comunicadores sociais brasileiros , no âmbito da FILVEN-2012 (Feira Internacional do Livro em Caracas), puderam presenciar, entre 9 e 18 de março, este grande evento nacional, de estímulo à leitura e à elevação cultural do povo venezuelano, que se está operando a olhos vistos, através do Ministério do Poder Popular para a Cultura, sob a direção do presidente e revolucionário Hugo Chávez.

A 8ª. Feira Internacional do Livro na Venezuela é parte desta rede cultural de feiras de renome mundial desde Havana, Buenos Aires, Frankfurt e até Teerã.  Cerca de 220 mil pessoas visitaram os quase 84 stands de expositores nacionais e internacionais, em busca da cultura, assistindo a variadas conferências de apresentação de livros e debates com escritores e intelectuais sobre temas que iam do literário ao político-social, do histórico ao contemporâneo, de Bolívar aos temas da guerra atual no Oriente Médio, da crise capitalista e da luta dos indignados na Europa, até as mesas sobre a integração latino-americana (Cuba, CELAC) e os temas candentes do terrorismo midiático. Sem contar, a mais variada produção de eventos artísticos, musicais, incluindo espaços especiais à educação e ao teatro infantil.

A FILVEN-2012 é uma espécie de ponta do iceberg cultural desta nova situação revolucionária que permitiu à Unesco qualificar a Venezuela do pós 1998 como país livre do analfabetismo (graças ao método cubano do  “Yo si puedo”). A qualidade da Feira de Livro se baseia nesta nova estrutura educacional onde os vários projetos sociais, chamados “Missões” estão em pleno desenvolvimento: Missão Robinson (para o ensino primário), Missão Ribas (para o 2º. Grau) e Missão Sucre (curso superior para adultos da terceira-idade). Os jovens das camadas mais pobres foram brindados por uma Universidade Bolivariana, de extensão nacional, e cuja sede central em Caracas, funciona em uma sede da PDVSA nacionalizada; os pretendentes à carreira militar, pela UNEFA (Universidade Nacional das Forças Armadas), aprendem não só o manejo das armas, mas o da tecnologia satelitar e o da estratégia da defesa civil e da guerra pela soberania nacional.

Os efeitos de tais projetos educacionais levaram a Venezuela a ser o 3º país onde mais se lê na América Latina. Segundo cifras da CERLAC (Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e Caribe), entre 8.652 pessoas alfabetas, maiores de 13 anos de idade, em diferentes partes da Venezuela, 50,2% lêem livros, numa porcentagem superior ao Brasil, Colômbia, Peru e México; perdendo somente da Argentina (55%) e do Chile (51%). A análise realizada pelo CENAL (Centro Nacional do Livro da Venezuela) revela que nos estratos sociais mais baixos há uma maior porcentagem de leitores (38%), revertendo o protótipo dos grandes países capitalistas, onde cultura é patrimônio dos ricos.

Outro aspecto da revolução cultural bolivariana expresso na Feira de Livro é o papel do Estado que permite a acessibilidade do povo ao livro. O pavilhão do Ministério do Poder Popular para a Cultura, compreende 3 grandes editoras do Estado: “Editora Perro y La Rana”, “Monte Ávila Editores” e “Fundação Ayacucho”. Estas editoras, em produção coordenada com as outras instituições do estado, na outra ponta: a Imprensa Nacional, e a Distribuidora do Sul (que distribui os livros nas principais livrarias públicas do país), conseguem desta forma baratear enormemente os custos, sem a interferência do interesse comercial privado, permitindo estabelecer preços baixíssimos à população. Dentro do projeto de estímulo à leitura, as Feiras de livro já distribuíram, em anos anteriores, milhares de livros gratuitos ao povo: “Don Quixote de la Mancha” (Cervantes), “Os miseráveis” (Vitor Hugo), “Cartas de amor de Manuelita Saenz a Bolívar”, e este ano distribuíram 40 mil exemplares da “Vitória Estratégica” (Fidel Castro), além de “Ditadura Midiática na Venezuela” (Luis Britto García, o escritor homenageado desta Feira) e a “Violência Mediática” (Vicente Romano).  Longas filas se fizeram por estas obras, escorrendo com entusiasmo, demonstrando alegria e interesse pela cultura.

A presença de conquistas e instrumentos comunicacionais e da mídia alternativa não podiam estar alheios a este grande festival cultural. O jornal gratuito da Prefeitura de Caracas, o “Ciudad Caracas” era distribuído diária e massivamente na feira, extrapolando sua tiragem normal de 125 mil exemplares (que cobre as estações de metrô e as principais praças da cidade), dando difusão aos eventos e à programação da feira de livro, convocando a cidadania. Da mesma forma, o jornal “Correio de Orinocco” (*), instrumento ideológico e tribuna de debate dos projetos da revolução bolivariana, foi distribuído gratuitamente durante o evento. Duas emissoras de rádio públicas (Rádio Nacional e Rádio Alba Caracas) tinham seus respectivos stands, com microfone permanente aberto ao público participante da feira. (**)

Vale notar que o esforço pela integração latino-americana está presente nas edições do governo bolivariano: Jorge Amado, Paulo Coelho, Paulo Freire, Gilberto Freire (Casa Grande e Senzala), Euclides da Cunha (Os sertões). Sem contar que na Universidade Bolivariana, há uma Faculdade de ensino da língua portuguesa, com uma enorme procura. O sentido da integração está também presente no fato de, a cada ano, haver um país convidado de honra. Este ano coube ao Uruguai, com boa presença das obras do falecido Carlos Benedetti e de cantores revolucionárias como Daniel Viglietti. Outro acontecimento relevante para dimensionar o progresso cultural da Venezuela nos últimos anos é que durante os dias da FILVEN, o governo anunciou o projeto “Alma LLanera” que criará 275 orquestras de música tradicional no território nacional. Isso é parte do sistema público de orquestras infantis na Venezuela, criado pelo maestro e economista José Antonio Abreu, cuja meta é ter 1 milhão e meio de membros.  Como parte desse projeto houve um dia de distribuição de 300 instrumentos musicais nos bairros pobres de Caracas. A idéia é além de estimular a formação de verdadeiros músicos infantis, superar os riscos de desajustes sociais e da sua inserção no mundo das drogas. Não é casual que a orquestra Filarmônica Juvenil Simón Bolívar, e seu jovem maestro Gustavo Dudamel têm êxito em Berlim e alcance mundial.

O projeto educacional, cultural na Venezuela, é um bom exemplo a seguir no Brasil. Não se justifica que sindicatos de professores e educadores não tenham ainda extrapolado sua pauta de reivindicações salariais, para um projeto social que acabe de vez com o analfabetismo neste país, berço dos ensinamentos de Paulo Freire. A presença na FILVEN de delegações militares, e marinheiros, nos debates e nas compras de livros, demonstram que na Venezuela a cultura não é só assunto de intelectuais, mas é um patrimônio social, dos trabalhadores, camponeses e soldados. Os partidos e sindicatos no Brasil devem abraçar um projeto mais amplo e transformador de nação livre e independente para que a educação e a cultura sejam um patrimônio de toda a sociedade. Não se deve olvidar o velho sábio e revolucionário cubano, José Marti: “somente um povo culto poderá ser um povo livre”.

Helena Iono
Edições Ciência Cultura e Política

Maio de 2012

(*) O preço deste jornal é 20 centavos de real. O novo salário mínimo (o maior da América Latina) a partir deste 1º. de maio será equivalente a 1.310,00 reais, incluindo vale alimentação. Considerando que o trabalhador ganha por lei 15 salários por ano, a média do salário mínimo é 1.637,00 reais.

(**) Esta mesma Feira de Livros torna-se itinerante a partir de meados de abril nas capitais de 23 Estados do país, finalizando o giro em fins de agosto de 2012.

Veja mais no blog: http://www.cafenapolitica.com/develop/?p=5800


{Acessos: 129}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: