Home
Videos
Edições impressas
Jornais anteriores
Contato
Sobre nós
VII Reunião de Cúpula das Américas
16 de abril de 2015 Editorial
Recomende essa matéria pelo WhatsApp

Saiu fortalecida a união dos povos e governos soberanos da América Latina e do Caribe!

Nos dias 10 e 11 de abril no Panamá sinalizou-se de forma contundente que há uma mudança de era, e que nas “Veias Abertas da América Latina”, do imortal  Eduardo Galeano, onde, por séculos, correram sangues de extorsão e saqueio, navega a contracorrente da consciência, e a decisão irreversível por uma América Latina e Caribenha unida, livre, soberana e anti-imperialista.

Esta foi uma Reunião de Cúpula histórica para as Américas. A hegemonia dos EUA, que há 53 anos excluiu de forma soberba e injusta a Cuba revolucionária dos bancos da OEA, sofreu uma derrota política e saiu pelas portas do fundo. A participação do presidente Raul Castro, após o reatamento recente das relações Cuba-EUA, foi um dos pontos altos. O seu discurso percorreu os fatos e a experiência histórica da revolução cubana, deixando claro que por esse “delito” foi segregada econômica e politicamente pelos EUA; o povo cubano busca a paz, mas não renuncia a seus ideais socialistas; ao contrário, reafirma seu apoio solidário à Venezuela e a todos os governos soberanos e constitucionais como Argentina (contra as ameaças britânicas nas Malvinas) e Brasil (frente à campanha golpista). Vários mandatários deixaram claro que o reconhecimento de Cuba não é um favor dos EUA e nem produto de um acordo entre governantes, mas uma conquista de um povo digno que resistiu defendendo a revolução, diante da penúria imposta pelo bloqueio, e das ameaças internas e externas a apenas 90 milhas da costa; é resultado de uma nova América Latina e Caribenha, unida e decidida a não ser mais o “quintal traseiro” dos EUA.

O percurso de soberania latino-americana até chegar a esta VII Cúpula das Américas teve um início decisivo em 2005, quando em Mar Del Plata (Argentina), a união de Nestor Kirchner com Hugo Chávez e Lula desmontou W. Bush e a ALCA, e deu início ao processo que levou à formação de organismos insubordinados à hegemonia dos EUA, como a ALBA, UNASUL e CELAC (2010).

O nível qualitativo desta Reunião partiu destas premissas de integração de governos latino-americanos e caribenhos, que nestas últimas décadas se rebelaram ao neoliberalismo, e lhe opuseram projetos econômico-sociais voltados à erradicação da miséria, do analfabetismo, a reforçar o papel de Estados revolucionários, a dignificar os pobres, com saúde, educação, alimentação e moradias descentes. O novo eixo passou a insubordinar-se ao FMI, ao Banco Mundial,  criando alternativamente o Banco do Sul, estabelecendo mútuos acordos de cooperação econômica e transcontinentais, com o BRICs, a China e a Rússia e o Irã. A Rússia acaba de ter um papel importante no BRICs e criar o Banco de Desenvolvimento. Essa é a conjuntura que leva os EUA, possuidor do maior orçamento militar do mundo (610 bilhões de dólares, 7 vezes o da Rússia e 3 vezes o da China), a decretar Venezuela uma ameaça. A América Latina unida, é uma ameaça político-social à hegemonia norte-americana. A Venezuela, a partir de 1998, com Hugo Chávez e sua política exterior, internacionalista, passou a ser um centro de articulação de novos governos de esquerda e progressistas. Por isso, é verdade, como dito por Raul Castro, que os EUA querem fazer com a Venezuela de Chávez/Maduro, o que fizeram com a Cuba de Fidel.  Venezuela é um centro de resistência, um farol integrador desta era, uma esperança, um exemplo de dignidade e sobretudo de organização cívico-militar, de democracia representativa e participativa com transformação social.  

Conseguir recolher em poucos dias 11 milhões de assinaturas e mais de 3 milhões em Cuba (durante a Campanha “Obama, revoga já o Decreto contra a Venezuela!”) não é um ato simbólico, é uma demonstração do nível mínimo de decisão, de repúdio à impunidade imperial, de união e capacidade de mobilização do governo e povo venezuelano, e latino-americano. Hoje a Campanha eclodiu a favor da Venezuela, amanhã será pelas Malvinas argentinas, e, depois, pelo Pré-sal do povo brasileiro.

Os 33 dos 35 países participantes deram um contundente “não” à tentativa de ingerência dos EUA nos assuntos internos dos países, desrespeitando sua soberania e a legalidade constitucional (o governo venezuelano passou pela prova de 19 eleições, vencendo 18), reiteraram o pedido de fim do bloqueio econômico contra Cuba, e declararam que o Decreto dos EUA contra a Venezuela viola a própria Carta da OEA (Capítulo II, artigo 3, letra E). Não obstante esta opinião majoritária, a VII Cúpula das Américas não tirou nenhuma declaração comum, por oposição de 2 países: EUA e Canadá. Isso, na contramão do tom da maioria, que contou com persuasivas intervenções de Cuba, Equador, Argentina, Venezuela, Bolívia, Nicarágua, Brasil e tantos outros para os quais não bastam mais Reuniões de Cúpula, discursos, diplomacia, nem tapas nas costas.

Rafael Correa, chamou ao papel que a CELAC deve assumir como expressão verdadeira dos países e povos Latino-americanos e caribenhos, diante da OEA que demonstrou nestes 53 anos (ao excluir Cuba da OEA) ser instrumento dos EUA; propôs reforçar a CELAC e deixar a OEA somente para processar diferenças ou consensos entre a CELAC e o bloco dos EUA. De fato, há uma dificuldade, um percurso ainda a ser cumprido entre esta Cúpula e os atos. Obama, recuou na condenação à Venezuela, mas preferiu não ouvir todos os discursos e reclamos da América Latina, e reduzir-se aos encontros bilaterais (com Raul Castro, Maduro, Dilma e outros), sem assinar nenhum documento. Pode-se dizer que esta nova frente Latino-americana não deu o gol, mas está em pleno ataque. Obama, recebeu o recado de que é melhor surfar nesta onda para o próximo embate eleitoral de Democratas versus Republicanos e voltou com a proposta ao Congresso de retirar Cuba da lista dos países terroristas. Mas, ainda há que ver o quanto está disposto a enfrentar os “falcões” da guerra para revogar o Decreto contra a Venezuela, sobretudo porque Maduro lhe deixou claro, que o primeiro ponto de negociação é que Obama deve aceitar que a revolução bolivariana é um fato, e anular o Decreto contra Venezuela. Raul Castro deu taticamente um voto de confiança, ou uma chance a Obama, apoiando-se nas divisões internas da direção norte-americana, recordando que quando Kennedy estava por firmar um acordo com Fidel, o mataram. Daniel Ortega, assinalou que a política norte-americana não é questão de um indivíduo, mas de um sistema imperialista, cuja meta é a exploração de seres humanos, o lucro e a guerra.  Maduro, na Plenária disse com vigor: “Presidente Obama, eu o respeito, mas não confio em você!”. Ao mesmo tempo, lhe estende as mãos, e faz um chamado a desativar os conspiradores aninhados na embaixada norte-americana em Caracas e nos prófugos de Florida.

Cristina Kirchner, detonou sem concessões contra qualquer tentativa de EUA abafar o debate em retóricas do tipo “prosperidade para criar igualdade”, ou “paz, democracia, liberdade de expressão de minorias”, que apagam fatos históricos (como pretendia Obama ao contestar o discurso de Rafael Correa) onde os governos norte-americanos têm mãos sujas de sangue, escravidão, racismo, guerras de dominação. Ninguém esquece, nem o povo norte-americano, a barbárie contra Hiroshima, Nagasaki, Vietnã, Ilhas Malvinas, Iraque, Iugoslávia, Afeganistão, Palestina, Líbia, e as ameaças hoje contra Síria e Venezuela. Não se pode apagar o passado, para entender o presente e construir o futuro. Neste sentido, foi exemplar o gesto de Maduro, que visitou, no dia anterior à Reunião de Cúpula, o bairro de Chorrillo (Panamá), que em 1989, foi destruída impiedosamente pelo bombardeio norte-americano, com o pretexto de destituir o presidente narcotraficante, Noriega, posto pelo próprio EUA. Foram quase 500 mortos como cobaias de armas radioativas usadas a seguir no Iraque. Maduro, denunciou na Cúpula e levou-lhe o pedido dos familiares das vítimas para ressarcimento pelos EUA como crime de guerra. A grande imprensa oculta e se alia aos que querem ignorar a história, pois o bombardeio de Panamá foi o contraexemplo de como se resolve o problema do narcotráfico. Como ressaltado por Cristina Kirchner, são os paraísos fiscais, os Bancos dos países desenvolvidos, os maiores consumidores de drogas, os que fazem lavagem de dinheiro; não são os países, nem os Bancos dos países produtores. As ameaças de guerra contra o narcotráfico na Colômbia, são pretextos de ocupação, não soluções, como diz Cristina, que  já deu mostras de como se enfrentam os Fundos Abutres.

Vale informar que paralelamente a esta Reunião, ocorreu no Panamá a chamada Cúpula dos Povos, com 3.500 delegados de movimentos sociais, sindicatos e estudantes da América Latina e do Caribe, onde foi acolhida uma numerosa delegação cubana; esta, acompanhou Raul Castro e membros do governo, para testemunhar o heroísmo da revolução, suas conquistas e a solidariedade internacional que Cuba “terrorista” proporciona ao mundo, na erradicação da ebola na África, no envio de 65 mil (entre médicos e educadores) a 89 países, incluindo o Brasil. Esta Cúpula dos Povos contou ao início com a presença de Evo Morales, e ao final com Nicolás Maduro e Rafael Correa, interagindo governos de esquerda e movimentos sociais.  Nesta instância, eles foram bem contundentes, particularmente Rafael Correa a não baixar a guarda. O alerta de Chávez da famosa frase, “rodillas en tierra” está vigente.  As experiências de união-cívico militar em defesa destes processos revolucionários e o Conselho de Defesa Militar da América Latina, ao lado da Unasul e Celac, a união das Forças Armadas dos países da Unasul contra uma possível invasão da IV Frota em qualquer país Latinoamericano e caribenho estará na ordem do dia.  O Irã não se ilude com o acordo nuclear e as promessas de ruptura do bloqueio econômico por parte da Europa e EUA e assina acordos com a Rússia que cancela o veto à entrega de mísseis ao Irã, que lhe vende petróleo em troca de equipamentos. Não há ilusões de que é o sistema capitalista internacional anglo-americano que financia o Estado Islâmico, a direita na Ucrânia, o ataque ao Yemen, a desestabilização da Síria e uma pretensa ocupação das Malvinas. http://www.aporrea.org/tiburon/n268556.html

Esta VII Cúpula das Américas, televisionada ao vivo por Telesul, compartilhada por RT (russa), merece ser acompanhada mesmo a posteriori por quem não pôde assistir. É muito difícil descrever e dar a entender a importância histórica desta reunião que expressa uma nova relação de forças mundial, detendo-se somente em acordos ou acertos finais (não escritos), sem ouvir os discursos, de alta qualidade e nível político dos presidentes de esquerda deste continente, que já atuam como uma equipe de quadros, deixando claro que não há ilusões sobre a natureza de classe do império. Normalmente dizemos: “Basta de discursos. Queremos ações!”. Mas há discursos como estes que são resultados de ações e preparam novas ações. Ações de amor à humanidade, com firmeza e ternura, presentes no gesto do presidente Nicolás Maduro que evoca nesta vitória de Cuba o legado de Chávez, e de Fidel, e lhe rende visita em Havana, logo após a Reunião das Américas. O que haverá pensado Eduardo Galeano (que firmou a petição “Obama, revoga o decreto contra Venezuela”) deste “time de futebol” latino-americano e caribenho, ao dar seu último suspiro após este evento histórico?

H. Iono
15-04-2015

Assistam os vídeos dos principais discursos:
https://www.youtube.com/watch?v=EEvPnClXUx0     VII Cumbre das Américas - Discurso de Raul Castro presidente de Cuba

 https://www.youtube.com/watch?v=Oz_q6ZoLkSg      VII Cúpula das Américas - Discurso de Nicolás Maduro presidente da Venezuela

 https://www.youtube.com/watch?v=9mH47EsSQ30 VII Cúpula das Américas - Discurso de Cristina Fernandez Kirchner presidente da Argentina

https://www.youtube.com/watch?v=qoVJOqUMGoI VII Cúpula das Américas - Discurso de Rafael Correa presidente do Equador

https://www.youtube.com/watch?v=qb6gQDNCVqA VII Cumbre das Américas - Discurso de Evo Morales presidente da Bolívia
 
https://www.youtube.com/watch?v=zkR1jBtAQJs
  VII Cúpula das Américas - Discurso de Dilma Rousseff  presidente do Brasil 

https://www.youtube.com/watch?v=jHR4NL_X-90 VII Cúpula das Américas - Discurso de Daniel Ortega presidente de Nicarágua


{Acessos: 187}
Recomende essa matéria pelo WhatsApp


Faça seu Comentário



Comentários
Nenhum comentário para esse conteúdo.
EDITORIAL:

Eleições na Venezuela e a luta pela liberdade de Lula
Jamais uma revolução social enfrentou tantas eleições, em condições extremas de guerra econômica e ameaças do imperialismo, conspiração interna e sabotagens; mesmo assim teve continuidade com base no voto popular. Aprender as lições da Venezuela; centrar fogo na libertação e eleição de Lula em 2018.
Receba nossa newsletter

Videos recentes
Suplementos Especiais
Links Recomendados
Matérias recentes
Noticias recentes
Batalhas de Ideias
Comunicação
Ganma Hispan TV Press TV Russia Today TeleSUR
Palavras-chave
J. Posadas - Obras publicadas
Leituras sugeridas
A FUNÇÃO HISTÓRICA DAS INTERNACIONAIS Del Nacionalismo Revolucionario al Socialismo Iran - El proceso permanente de la revolucion Iran - El proceso permanente de la revolucion La musica, El Canto, La Lucha Por el Socialismo
Desenvolvido por Mosaic Web
Recomendar essa matéria: